Governo do RJ corta quase metade do orçamento do Theatro Municipal, diz Alerj

O governo do RJ cortou 46,87% do orçamento do Theatro Municipal, no Centro do Rio. A redução foi anunciada nesta segunda-feira em audiência pública da Alerj. Segundo a Comissão de Cultura da Casa, o valor corresponde a R$ 25 milhões.

Bailarinos e membros do coro e da orquestra do Theatro fizeram um protesto durante a audiência na Alerj. Uma bailarina dançou enquanto o coro se apresentou.

Os gastos do governo estadual com o Theatro Municipal são da ordem de R$ 8 milhões mensais, administrados pela Secretaria de Cultura, que dispõe de uma verba de R$ 21 milhões por mês.

O secretário estadual de Cultura e Economia Criativa, Ruan Lira, declarou que este ano conseguiu R$ 1,5 milhão da Secretaria de Fazenda para a realização de obras artísticas no Theatro Municipal, mas, para ele, os problemas estão longe de serem solucionados.

Ele disse ainda que é necessária a revisão de contratos dos últimos 10 anos para verificar supostos erros cometidos por empresas responsáveis pelas obras do Theatro. Segundo Lira, há muitos problemas estruturais, como infiltrações.

O maestro Isaac Karabtchevsky, também presente na audiência pública, afirmou que a falta de sensibilidade do poder público em relação à cultura no estado prejudica o setor.

“A insensibilidade determina o futuro da nossa cultura e, independente de direita ou esquerda, pode definir o rumo do nosso setor”, disse o maestro.

O que diz o governo

Em nota, a Secretaria Estadual de Cultura informou que, na verdade, não houve corte, mas um contingenciamento. O dinheiro está sendo liberado de acordo com a arrecadação pública, em razão da Lei de Recuperação Fiscal do estado.

Segundo Maria de Fátima Lopes Leite, secretária adjunta de Planejamento, Orçamento e Gestão da Casa Civil e Governança, a previsão de receita para este ano destinada ao Theatro Municipal é muito baixa, mas em junho será possível fazer um remanejamento.

“O governo tem a prioridade de pagar os salários dos servidores. Em junho, faremos uma revisão. A secretaria está de portas abertas para minimizar essa situação de corte e fazer um remanejamento”, garantiu a secretária.

“Já foram apresentados, este ano, a ópera ‘Côndor’ (março), o balé ‘As noites de Berlioz’ (abril), dois espetáculos do corpo de baile da Escola Estadual de Dança Maria Olenwa (abril), o recital do tenor Fernando Portari (abril) e também o recital do soprano Eliane Coelho (abril)”, elenca.

“Nesta quinta (16), será a estreia da ópera ‘Os contos de Hoffmann’. Estes são só os espetáculos produzidos pelos corpos artísticos da casa. Aconteceram muitos outros realizados pelos permissionários, isto é, produtores que alugaram o teatro para exibir espetáculos próprios”, emenda o texto.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Open chat
Anuncie AQUI! >>>
Olá!
Gostaria de anunciar sua marca aqui?
Powered by