Flordelis: polícia ouve novas testemunhas nesta quinta-feira
A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) ouvirá nesta quinta-feira duas novas testemunhas no caso que investiga o assassinato do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis (PSD-RJ). Segundo a polícia, elas seriam pessoas ligadas à casa e que teriam livre acesso à residência, mas seus nomes não foram divulgados. 
A delegada Bárbara Lomba, titular da DHNSGI, chegou à especializada por volta de 12h50. Também no começo da tarde, os advogados de Flavio dos Santos pediram remédios em uma farmácia para o cliente. Segundo os defensores, ele tem duas hérnias de disco e sente muitas dores. O medicamento foi pedido em uma farmácia da região e um entregador levou até o local.
Lucas não quer ser transferido por medo

Segundo fontes, Lucas dos Santos não quer ser transferido da DHNSGI. É que o filho adotivo da Flordelis, que também confessou ter participado do crime, estaria com medo de uma possível represália. 

Ontem, o novo advogado de Lucas, Victor Vianna, informou que não vai pedir a transferência de seu cliente da DHNSGI para um presídio. “Eu não vou pedir que ele deixe aqui. O Lucas está sendo bem tratado e por hora não vejo o motivo de sua transferência dele”, disse. 

Advogado de Flávio volta a criticar polícia e falta de acesso ao inquérito
A defesa de Flavio dos Santos Rodrigues, filho biológico da deputada Flordelis, voltou a atacar a Polícia Civil na tarde desta quinta-feira. Segundo Anderson Rollemberg, após a confissão do cliente, houve uma “antipatia dos investigadores” com a defesa. Ainda de acordo com Rollemberg, a delegada Bárbara Lomba não estaria permitindo que os advogados tenham acesso ao inquérito. 

“O acesso ao inquérito está sendo de forma contumaz. Estamos precisando do acesso de forma rápida e não pode ter mais delongas. As informações estão vazando para a imprensa e temos o direito às informações do inquérito em relação ao Flavio”, salientou. 

“Não tenho dúvida que, em função de uma confissão dita pela autoridade policial, quando a defesa assume, surge uma antipatia com os advogados. Estamos tentando uma harmonia com a autoridade policial”, afirmou Rollemberg. 
Para a defesa de Flavio, por hora, eles rechaçam um novo depoimento ou uma possível acareação. “Não se fala neste momento, porque não tivemos acesso aos autos. Após isso, provavelmente, vamos requerer à juíza da 3ª Vara Criminal de Niterói, quem sabe, uma possível acareação. Temos interesse no desfecho da investigação”, completou.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Open chat
Anuncie AQUI! >>>
Olá!
Gostaria de anunciar sua marca aqui?
Powered by