Jornal Povo

Prefeitura do Rio arrecadou R$ 31 milhões com empresas de aplicativo de transporte em 1 ano

Documento da Secretaria Municipal de Fazenda  aponta que a prefeitura arrecadou R$ 31 milhões de abril de 2018 a março de 2019 com o Imposto Sobre Serviço (ISS) das empresas de aplicativo de transportes. O valor é referente ao recolhimento com a alíquota de 5% pela “intermediação de transporte” na cidade. O município tem ainda a arrecadação de outro imposto, fixado em 1% do valor das viagens feitas pelos aplicativos, em compensação ao uso da malha viária. A quantia obtida por meio dessa taxa, no entanto, não foi divulgada.

A única das empresas do ramo que atua no Rio e que faz o pagamento à Prefeitura deste segundo imposto é a Uber. Em nota, representantes da companhia informaram que a firma recolhe ISS desde 2016 e faz um repasse mensal à prefeitura adicional de 1% referente ao preço público sobre o valor das viagens desde junho de 2018. A Cabify, a 99 e o EasyTaxi não esclareceram se pagam ou não os impostos.

Por meio da Lei Orgânica do Município, o vereador Luiz Carlos Ramos Filho (PODE) obteve os valores. Ele protocolará um pedido ao Ministério Público nesta tarde para obrigar a divulgação dos dados ocultados pelas empresas.

— Estou enviando um ofício ao MP para obrigar as empresas a darem as informações. Eles querem estar acima do poder público, sem ordenamento a cidade vira um caos — afirma o vereador.

Valor foi arrecadado no último ano

O documento assinado pelo fiscal de rendas, Ulisses Bretas Miranda, expõe que, no período especificado de 12 meses, a prefeitura arrecadou este montante, sem especificar quais empresas pagam os impostos. No texto, o servidor esclarece que “há casos de empresas que foram fiscalizadas e autuadas, atualmente em fase de litígio administrativo”.

O subsecretário de Tributação da Secretaria Municipal de Fazenda, Manuel Jorge de Freixo, confirmou na audiência que algumas empresas não divulgaram os valores e não vem recolhendo os impostos.

— As empresas que não se dispuseram a pagar, nós estamos cobrando o valor, com uma multa de 100% e uma mora — afirma o subsecretário.

Uma audiência pública realizada nesta quinta-feira na Câmara dos Vereadores discute o estudo encomendado pelos parlamentares sobre o número de viagens feitas por taxistas e motoristas de aplicativo na cidade. O estudo foi solicitado pela Comissão de Transportes da casa ao custo de R$ 300 mil, segundo o presidente da Câmara Jorge Felippe (MDB).

O objetivo principal do estudo contratado é traçar um raio-x dos possíveis impactos no Rio após o início da operação de empresas como a Uber, o Cabify e a 99.

— Precisamos ter embasamento do impacto no meio ambiente e no trânsito. O que esse aumento representa pra cidade — afirma Felippe.

“Pelos serviços de intermediação de transporte por intermédio de aplicativo, consta no Sistema da Nota Carioca recolhimentos de ISS desde setembro de 2014”, complementa o documento.

Vereadores criticam ‘caixa preta’

As empresas não enviaram representantes para a audiência. O presidente subiu o tom para criticar a falta de resposta das empresas e afirmou que a ação das empresas pode ser vinculada à sonegação de impostos.

— Os aplicativos estão criando dificuldade para que não haja conhecimento dos números reais. E isso pode envolver sonegação de impostos, o que é crime — crítica Felippe.

O vereador Alexandre Isquierdo (DEM), presidente da comissão, endossou as críticas ao fato das empresas não divulgarem os números de viagens realizadas e “desmerecerem o estudo”.

— Existe uma caixa-preta do sistema de ônibus. Agora está surgindo uma caixa preta do sistema de transportes por aplicativos — critica o vereador.

O vereador Tarcísio Motta (PSOL) se manifestou solicitando que a Casa “abra as duas” caixa-pretas.

A sessão tem galerias e o plenário cheio de representantes da classe dos amarelinhos que reivindicam uma maior regulamentação para o serviço das empresas. São cerca de 200 taxistas presentes acompanhando a apresentação do estudo.

Coordenador do estudo, o professor Marcelino Aurélio Vieira da Silva, defendeu que os levantamentos divulgados são isentos, sem viés político ou em defesa de um lado específico.

— Foi um problema as empresas não divulgarem os dados. Fizemos um trabalho técnico para chegar aos melhores dados possíveis — explica Marcelino. De acordo com o professor, os ônibus foram os mais impactados com a chegada dos aplicativos, vinculando também a redução de passageiros à crise econômica.

O levantamento realizado pelo Núcleo de Pesquisas em Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ aponta que aplicativos como Uber, 99 e Cabify já transportam mais que o triplo de passageiros por dia: são quase 750 mil contra pouco mais de 233 mil dos táxis. 

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.