Jornal Povo

Garotinho e Rosinha são presos por suspeita de superfaturamento de mais de R$ 60 milhões

O Ministério Público estadual (MPRJ) prendeu, na manhã desta terça-feira, os ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha Matheus (Patriota) durante uma operação que investiga o superfaturamento de R$ 62.566.209,25 em contratos para a construção de casas populares firmados com a construtora Odebrecht em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense.
Garotinho e Rosinha foram presos em casa, no Flamengo, na Zona Sul do Rio. Eles foram levados para a Cidade da Polícia, no Jacaré, na Zona Norte, para prestar depoimento.
Além dos ex-governadores, também foram presos pela Operação Secretum Domus, como foi batizada, Sérgio dos Santos BarcelosÂngelo Alvarenga Cardoso Gomes e Gabriela Trindade Quintanilha. Todos também foram alvos de mandados de busca e apreensão, que foram cumpridos em Campos e na capital. Eles teriam recebido R$ 25 milhões em propinas.
Dentre as apreensões, o MPRJ pediu o bloqueio de R$ 140 milhões da Construsan, contratada pela Odebrecht para a realização de parte das obras.
Com as prisões desta terça, quatro ex-governadores do Rio estão presos. Além de Garotinho e Rosinha, Sérgio Cabral Luiz Fernando Pezão também estão na cadeia.
INVESTIGAÇÕES
As investigações foram feitas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRJ a partir da delação premiada dos executivos da Odebrecht Leandro Andrade Azevedo e Benedicto Barbosa da Silva Junior.
O MPRJ descobriu irregularidades em contratos firmados com a construtora nos programas Morar Feliz I e Morar Feliz II durante os dois mandatos de Rosinha como prefeita de Campos (2009-2016). As obras ainda não foram concluídas.
De acordo com o MPRJ, uma das licitações superfaturadas foi para a construção de 5.100 casas do Morar Feliz I em outubro de 2009 (contrato nº 306/2009), além da urbanização dos respectivos loteamentos. O valor do contrato assinado foi de R$ 357.497.893,43, além de aditivos.
Já durante o segundo mandato de Rosinha, um nova licitação foi feita nos moldes da primeira para a construção de 4.574 casas pelo valor inicial de R$ 476.519.379,31, no Morar Feliz II, em fevereiro de 2013 (85/2013).
CLÁUSULAS RESTRITIVAS
Ainda segundo o MPRJ, ambos os editais tinham cláusulas extremamente restritivas para que a Odebrecht fosse a vencedora.
O MPRJ constatou superfaturamento de R$ 29.197.561,07 do Morar Feliz I e R$ 33.368.648,18 do Morar Feliz II, totalizando mais de R$ 60 milhões.
PAGAMENTOS
Para o pagamento das propinas, a Odebrecht contava com um sofisticado esquema com um Setor de Operações Estruturadas. Planilhas extraídas do Sistema Drousys tinham o codinome do beneficiário direto dos valores, valor, data do pagamento e, em alguns casos, a obra relacionada, como por exemplo Casas Campos II.
Apos o repasse ser autorizado, o pagamento era feito por Álvaro Galliez Novis e pela Transportadora Transmar.
“Hoje, a Odebrecht está inteiramente transformada. Usa as mais recomendadas normas de conformidade em seus processos internos e segue comprometida com uma atuação ética, íntegra e transparente”, a construtora informou, em nota.
Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.