Jornal Povo

Lamsa anuncia volta do pedágio da Linha Amarela para esta sexta-feira

[cmsmasters_row data_shortcode_id=”sjvhinx7a” data_padding_bottom_mobile_v=”0″ data_padding_top_mobile_v=”0″ data_padding_bottom_mobile_h=”0″ data_padding_top_mobile_h=”0″ data_padding_bottom_tablet=”0″ data_padding_top_tablet=”0″ data_padding_bottom_laptop=”0″ data_padding_top_laptop=”0″ data_padding_bottom_large=”0″ data_padding_top_large=”0″ data_padding_bottom=”50″ data_padding_top=”0″ data_bg_parallax_ratio=”0.5″ data_bg_size=”cover” data_bg_attachment=”scroll” data_bg_repeat=”no-repeat” data_bg_position=”top center” data_color=”default” data_bot_style=”default” data_top_style=”default” data_padding_right=”3″ data_padding_left=”3″ data_width=”boxed”][cmsmasters_column data_width=”1/1″ data_shortcode_id=”4qqrnt2yne” data_animation_delay=”0″ data_border_style=”default” data_bg_size=”cover” data_bg_attachment=”scroll” data_bg_repeat=”no-repeat” data_bg_position=”top center”][cmsmasters_text shortcode_id=”tr65w2cv6k” animation_delay=”0″]

A Lamsa anunciou, nesta terça-feira, que deverá voltar com a cobrança do pedágio na Linha Amarela a partir da meia-noite desta sexta. Até então, a concessionária previa cerca de um mês para a reconstrução da praça do pedágioque foi destruída por agentes da prefeitura, na noite de domingo, quando o município reassumiu o controle da via expressa.
“A recuperação da estrutura, cinco dias após a destruição feita pelas equipes do prefeito Marcelo Crivella, está sendo possível graças ao trabalho de aproximadamente 100 funcionários das empresas do grupo Invepar de todo o país, que se disponibilizaram para colaborar com o time da Lamsa”, a empresa disse, em nota.
A concessionária informou que cogitava a volta do pedágio em 30 dias por conta do cenário de destruição no local. De acordo com a empresa, foram destruídos cabines, câmeras, cancelas, luminárias, portas, estruturas em vidro, equipamentos eletrônicos e sistemas para a cobrança da taxa que vai de R$ 7,50 a R$ 45.
Desde a noite desta segunda, os agentes da concessionária trabalham para a substituição dos aparelhos danificados. A previsão é que o trabalho, que vai custar cerca de R$ 3 milhões, seja concluído até o fim de semana.
PREFEITURA X LAMSA
A queda de braço entre a prefeitura e a Lamsa já dura quase um ano. O município alega que está sendo prejudicado na equação que trata do equilíbrio econômico-financeiro do contrato entre as duas partes.
A primeira tentativa de reverter a situação aconteceu no fim do ano passado, quando Crivella determinou que a concessionária deixasse de cobrar pelo pedágio no sentido Fundão da via expressa. A intenção era devolver para a população o valor que seria dos cofres públicos. Outras duas tentativas se seguiram ao longo deste anotodas derrubadas por liminares da Justiça.
Já na última sexta o prefeito anunciou o rompimento unilateral do contrato de concessão, notificando a Lamsa na noite de domingo. A concessionária recorreu e horas depois a Justiça derrubou a decisão do prefeito, liberando a cobrança do pedágio e estabelecendo uma multa ao município de R$ 100 mil por dia que a Lamsa ficar sem arrecadação. A prefeitura avisou que iria recorrer.

[/cmsmasters_text][/cmsmasters_column][/cmsmasters_row]

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.