Prefeitura quer pedágio a R$ 2 na Linha Amarela

Um verdadeiro cabo de guerra está sendo travado entre a Prefeitura do Rio e a Lamsa, para ver, enfim, quem vai ficar com a Linha Amarela. Ontem, a concessionária anunciou que deverá voltar com a cobrança do pedágio a partir da meianoite de sexta-feira. O prefeito Marcelo Crivella, por sua vez, encaminhou um projeto de lei, em regime de urgência, à Câmara dos Vereadores que autoriza a encampação da via expressa.

Caso o projeto seja aprovado, caberá à prefeitura fixar o novo valor a ser cobrado no pedágio. Segundo cálculos da ControladoriaGeral do Município, a tarifa, hoje praticada de R$ 15, ida e volta, poderia ficar em torno de R$ 2, cobrada em apenas um sentido.

O texto encaminhado por Crivella se baseia no artigo 37 da Lei de Concessões, que prevê a retomada de serviço durante o prazo da concessão por motivo de interesse público, mediante lei autorizando a decisão e após pagamento de indenização. No entanto, na apresentação do projeto, o prefeito pede que a indenização prevista pela Lei de Concessões seja reconhecida como amortizada, já que a Lamsa teria causado, segundo a prefeitura, prejuízos de R$ 1,6 bilhão aos cofres públicos.

“Diante desse quadro desleal e tão desvantajoso para a sociedade carioca, outra medida não se pode tomar que não seja a retomada da operação da via”, afirma o prefeito.

Indiferente à iniciativa da prefeitura de encampar a Linha Amarela, a Lamsa segue firme na intenção de reativar o controle da via expressa, voltando a cobrar o pedágio já na sexta-feira.

Até então, a concessionária previa um prazo maior, de cerca de um mês, para a reconstrução da praça do pedágio, destruída por agentes da prefeitura na noite de domingo, quando o município reassumiu o controle da via. Mas esse cronograma mudou: “A recuperação da estrutura, cinco dias após a destruição feita pelas equipes do prefeito Marcelo Crivella, está sendo possível graças ao trabalho de aproximadamente 100 funcionários das empresas do grupo Invepar de todo o país”, disse a empresa, em nota.

Desde a noite de segunda-feira, funcionários da concessionária trabalham para a substituição dos aparelhos danificados. A previsão é que o trabalho, orçado agora em cerca de R$ 3 milhões, seja concluído até o fim desta semana.

Vereador propõe anular termo aditivo sobre pedágio 

Na tarde de ontem, o vereador Fernando William (PDT) apresentou à Mesa Diretora da Câmara dois projetos de decreto legislativo. “Um deles trata da anulação do Termo Aditivo nº 9/2006 (do contrato de concessão nº 513/94, para exploração do pedágio na Linha Amarela), que acabou com o equilíbrio econômico e financeiro, em função do número de automóveis que passam pelo pedágio”, explicou o parlamentar.

O outro projeto foi apresentado para que seja recalculado o valor devido pelas nove obras previstas no Termo Aditivo (TA) nº 11/2006. “Segundo técnicos da prefeitura, (as obras) produziram um sobrepreço em favor da empresa, da ordem de R$ 481 milhões”, disse.

O vereador propõe a anulação e a assinatura de um outro termo aditivo. “Caso contrário, que isso se decida pela anulação do contrato”, concluiu.

Click here to change this text

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Open chat
Anuncie AQUI! >>>
Olá!
Gostaria de anunciar sua marca aqui?
Powered by