Justiça proíbe publicação de livro sobre Suzane von Richthofen

Uma liminar concedida pela juíza Sueli Zeraik, da Vara de Execuções Criminais (VEC) de Taubaté (SP), proibiu a publicação de um livro sobre a detenta Suzane von Rochthofen, presa em Tremembé (SP). A decisão provisória reverte a sentença de 2° instância em outro processo sobre o tema – em novembro a Justiça negou o pedido da presa, condenada a 39 anos de prisão pela morte dos pais em 2002. A defesa do autor e editora informaram nesta quinta-feira (21) que vão recorrer.

O livro ‘Suzane – Assassina e Manipuladora’, do jornalista Ulisses Campbell, tem publicação prevista para janeiro de 2020 pela editora Matrix. A trama pretende recontar a história de um dos crimes de maior repercussão no país – Suzane planejou o assassinato dos pais, que foram executados pelo então namorado, Daniel Cravinhos, com ajuda do irmão dele, Cristian. Suzane e o ex-cunhado ainda cumprem pena na prisão pelos homicídios.

A magistrada, na liminar que está em sigilo, citou que no livro o autor conta em detalhes a história de Suzane, do crime à vida na prisão. Ela afirma também que, para a produção, o jornalista diz ter entrevistado pessoas que têm acesso à presa, como psicólogos do sistema prisional e agentes carcerários, além de ter analisado o processo do caso Richthofen, cujo sigilo foi imposto por ela em 2016.

A juíza considera que o direito à imagem dá à pessoa meios de defesa contra divulgações não autorizadas e avaliou que a publicação da obra seria ‘sensacionalismo’, contribuindo para a execração pública da condenada, dificultando a ressocialização da detenta, que cumpre pena no regime semiaberto. Suzane pleiteia desde 2017 o cumprimento do restante da pena em liberdade.

Sueli Zeraik afirmou também que Ulisses não teve acesso, legítimo, a registros ou dados de Suzane que sustentem a autenticidade da obra. Ela diz que não há registro ou notícia de encontros e conversas dele com profissionais do sistema carcerário e que, o ato, de qualquer maneira, é proibido. O autor e a editora contestam as afirmações.

A juíza também sustenta que não há interesse público no caso e que a publicação representaria um dano irreparável a Suzane, que não quis dar entrevista ao autor do livro.

O dona da editora Matrix, Paulo Tadeu, disse ao G1, por telefone, que vai recorrer para reverter a liminar. “Respeito o trabalho da juíza, entendo o ‘outro lado’, mas é um livro sobre Suzane, e a magistrada não leu a obra ainda para alegar que há informações que serão publicadas e que estão em segredo. Isso não corresponde à verdade. É um livro com uma apuração primorosa, sem ilegalidades”, disse.

O advogado Alexandre Fidalgo, que defende o jornalista, considera que a liminar atenta contra a liberdade do autor. “É uma forma de censura, que considero não ter amparo legal. Quando é dito [na decisão]que as informações não consistem em interesse público, entendo que essa é uma visão errada do fato, não se pode impedir a difusão de informação”, afirmou.

Sobre a produção do livro, Ulisses diz que já esteve no presídio em Tremembé nove vezes e que o trabalho de apuração da obra não foi feito dentro da unidade. “Nunca disse que fiz entrevistas dentro da cadeia, todas foram feitas fora, é um trabalho de apuração. Entrevistei agentes das unidades por onde Suzane passou desde que ela foi presa. Além disso, o processo dela, até junho de 2016 era uma peça aberta, lá já continha informações sobre o perfil psicológico dela”, disse.

Sobre o interesse público da obra, o autor discorda. “O dano irreparável, que a execra, é o que ela fez. Quem tem que ditar o que é interesse público ou não, é o público”, concluiu.

Via: G1

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Open chat
Anuncie AQUI! >>>
Olá!
Gostaria de anunciar sua marca aqui?
Powered by