Jornal Povo

PMs suspeitos de matar engenheira Patrícia Amieiro vão a julgamento nesta segunda-feira

Os quatro PMs acusados de matar a engenheira Patrícia Amieiro serão julgados a partir desta segunda-feira. O julgamento está marcado para acontecer no 1º Tribunal do Júri da Capital, no Centro, a partir das 13h.

O julgamento já foi adiado duas vezes este ano. A primeira delas, no dia 5 de setembro, quando o advogado de um dos réus não compareceu à sessão. O julgamento foi remarcado para o dia 26 do mesmo mês. No entanto, um dia antes, os advogados dos réus conseguiram uma liminar para adiar novamente a sessão, sob o argumento de que um deles, que era novo na defesa do caso, não teve tempo tempo de apresentar a lista das testemunhas de defesa.

Quatro policiais militares vão a júri popular. Marcos Paulo Nogueira Maranhão e William Luis do Nascimento respondem por tentativa de homicídio qualificado, já que o corpo de Patrícia nunca foi encontrado e também por fraude processual, já que são acusados de terem alterado a cena do crime. PMs Fábio da Silveira Santana e Márcio Oliveira dos Santos foram acusados apenas de fraude processual.

A sentença determinando que os quatro PMS fossem levados a júri popular é de julho de 2013. Os advogados entraram com recursos no Tribunal de Justiça do Rio e no Superior Tribunal de Justiça e o julgamento só foi marcado seis anos depois da primeira sentença.

Patrícia, que tinha 24 anos, desapareceu quando voltava de uma festa no Morro da Urca, na Zona Sul do Rio, e seguia em direção à sua casa, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade. Na saída do Túnel do Joá, o carro dirigido pela engenheira foi alvo de uma série de disparos de arma de fogo. Os policiais Marcos Paulo e William Luís foram acusados de atirarem por acreditarem que havia o motorista do carro era um traficante.

Ainda segundo a polícia, com os tiros, Patrícia perdeu o controle do veículo, que colidiu em dois postes e uma mureta. O carro de Patrícia foi encontrado na beira do Canal de Marapendi, na Barra da Tijuca, com o vidro traseiro quebrado e o porta-malas aberto. O corpo da jovem nunca foi encontrado. Para a polícia e o Ministério Público, o corpo foi retirado do veículo e o carro jogado no canal pelos policiais para impedir que o homicídio fosse descoberto.

Em 2011, a Justiça declarou a morte de Patrícia, alegando que, além de possuir vínculos estreitos com a família — eliminando a possibilidade de ela ter sumido espontaneamente — a situação em que o carro da jovem foi encontrado eliminava qualquer chance de que ela tivesse saído viva do veículo.

Via: Jornal Extra

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.