Jornal Povo

Bombeiro é acusado pela ex-mulher de agredir e raspar cabelo da filha por ciúmes

O sargento do Corpo de Bombeiros Marcio Simas, de 44 anos, é acusado pela ex-mulher de ter agredido e raspado parte do cabelo da filha, uma adolescente de 14 anos, na madrugada desta quinta-feira. Ana Luiza Simas passava alguns dias na casa do pai, em Bento Ribeiro, na Zona Norte do Rio, e diz ter apanhado após ele mexer no seu celular e ver conversas dela com uma amiga. Ele estaria embriagado.

Segundo a mãe da adolescente, a vendedora Amanda Soares, 34, o bombeiro estava com a filha, uma prima e outra colega em um bar que costumavam frequentar em Vila Valqueire, também na Zona Norte, na noite de quarta. Ao saber de um vídeo em que a adolescente aparece experimentado cigarro e bebida alcoólica, Marcio ficou irritado. As agressões, no entanto, teriam acontecido por ciúmes, após o pai ver as conversas no celular da filha.

“Quando ele chegou em casa, viu uma conversa no celular dela com uma amiga sobre um menino e ficou com ciúmes. Foi então que ele começou a dar socos nela, encurralar na parede, bater. Depois, levou a minha filha pro quarto e começou a raspar a cabeça dela, xingando”, relata Amanda.

Depois do ataque de fúria, o sargento levou a filha para a casa da mãe, que chamou a Polícia Militar.

“Ele estava visivelmente alcoolizado, disposto a fazer qualquer coisa. Estava armado e me ameaçou caso eu chegasse perto dele”, a mulher conta.

Amanda e Marcio tiveram um relacionamento de quase 14 anos e estão separados há quatro. De acordo com ela, o bombeiro nunca tinha batido na filha.

“Ele nunca bateu na nossa filha, foi a primeira vez. Quando não está sob efeito da bebida ele é outra pessoa. Quando bebe, é explosivo, ofende, tem um comportamento agressivo”.

Amanda contou ainda que a filha está muito abalada após as agressões e que não costuma dar trabalho.

“Ela fala para mim: ‘mãe, eu sinto a mão do meu pai na minha cabeça, a máquina na minha cabeça’. Ela acabou de fazer 14 anos, estava feliz, ganhou um celular, porque passou direto na escola. É uma menina educada, não fala palavrão, estuda. Não merecia sofrer isso do próprio pai”, lamenta.

O caso foi registrado na 30ª DP (Marechal Hermes). Amanda, no entanto, reclamou do atendimento na distrital.

“Minha filha foi torturada, humilhada, trancada dentro de casa e eles só registraram como injúria. Eu tive que pedir pela medida protetiva, pelo exame de corpo de delito, porque o policial que nos atendeu não deu importância, agiu como se fosse um caso banal”, reclama a mãe.

A vendedora contou ainda que o policial civil que registrou o caso estava de chinelo e sem distintivo. Depois do exame de corpo de delito, Amanda retornou à delegacia para acrescentar informações ao boletim de ocorrência à pedido de outra policial.

Procurada pelo DIA, a Polícia Civil não se manifestou sobre as reclamações do atendimento na delegacia, se limitando a reafirmar a instalação do inquérito para apurar as lesões e injúrias à adolescente e que “as investigações estão em andamento”.

Já o Corpo de Bombeiros informou que vai instaurar um processo administrativo disciplinar para apurar a conduta do militar. A corporação também disse que corregedoria determinou a suspensão do porte de arma do sargento.

“O Corpo de Bombeiros do Rio reforça que não compactua com atos ilícitos ou que vão de encontro à ética, à moral e aos bons costumes”, reforçou, em nota.

Via: O Dia

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.