Jornal Povo

Irmão de pedreiro morto na Vila Cruzeiro critica ação da PM: ‘Todo dia uma família chora’

Irmão de Samuel Meneses da Conceição, de 47 anos, morto na manhã desta quarta-feira durante uma operação da Polícia Militar na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, na Zona Norte do Rio, o eletricista Júlio César Menezes da Conceição, de 50, criticou a ação da Polícia Militar na comunidade. Segundo ele, a família entrará com uma ação contra o governo estadual. Moradores da Vila Cruzeiro apontaram PMs como autores do disparo que atingiu Samuel.

— Só queremos que ele (o governador Wilson Witzel) tome providência (e evite) que mais famílias chorem. (Vivemos um) desespero. Todo dia uma família chora — disse Júlio César, nesta quinta, quando cuidava da liberação do corpo do irmão no Instituto Médico Legal (IML).

Parentes afirmam que ainda não foram procurados por nenhuma autoridade. Samuel estava a caminho do trabalhado quando foi atingido por um disparo e já chegou morto ao Hospital estadual Getúlio Vargas, na Penha.

— Até o momento, ninguém nos procurou. Nem a Polícia Militar, nem a Polícia Civil, nem qualquer assistente social. O que sabemos são as mesmas informações que tínhamos ontem. Meu irmão foi baleado a caminho do trabalho — disse Robson Rodrigues, outro irmão de Samuel.

A Comissão de Direitos Humanos da Alerj está acompanhado o caso. A deputada estadual Renata Souza (PSOL) atenderá parentes de Samuel nas próximas horas. O objetivo é ajudar com atendimento psicológico e auxiliar no atendimento junto à Defensoria Pública.

— Vamos correr atrás dos nossos direitos para a família dele não fique desamparada — afirmou Júlio César.

Nesta quarta, após receber a notícia do que havia acontecido com Samuel, Robson cobrou uma investigação sobre o caso.

— A gente quer saber de onde o tiro partiu. Apesar de saber que isso não vai acontecer porque o nosso governo só fica em palavras. Minha cunhada vai ficar sozinha com quatro filhos e quem vai ajudar? Vai caber à família se juntar para isso. Eu não posso esperar isso do governador, do presidente ou do meu prefeito — desabafou.

Também nesta quarta, o porta-voz da Polícia Militar, coronel Mauro Fliess, lamentou a morte de Samuel e informou que o episódio será investigado.

— Nós tomamos conhecimento desse triste episódio. Houve disparo de marginais antes da nossa chegada. A nossa operação era na Vila Cruzeiro, mas ele foi ferido no Parque Proletário. Uma investigação será feita pela Polícia Civil e um inquérito será aberto na Corregedoria da Polícia Militar — disse.

Pedido de enterro gratuito

Após o corpo de Samuel ser liberado, a família irá ao Tribunal de Justiça solicitar gratuidade para o sepultamento. O enterro de Samuel deve acontecer nesta sexta-feira.

— O nosso sentimento é que o Samuel não será o primeiro e nem o último. O governador tem que saber que hoje é a nossa família e amanhã será a de outra pessoa. No ano passado, a cada três mortes, uma foi causada pela polícia. Qual é a solução do governador para resolver essa situação? Quantas vítimas terão que passar por isso para algo será feito? — desabafou Rayanne Soares, prima do pedreiro.

Após o desabafo da família, sobre o abandono do governo, a Secretária de Vitimização disse que “o superintendente de vitimados civis está indo ao encontro da familia no IML acompanhado da assistente social da pasta”. A secretaria não comentou as críticas dos familiares.

Pedreiro deixou quatro filhos

O pedreiro era presbítero da Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Transformando Vidas e frequentava o templo de Olaria, também na Zona Norte. Samuel dixa mulher e quatro filhos, dois deles ainda crianças, de dez e cinco anos de idade. Ele foi descrito como uma pessoa “exemplar” pelos familiares.

— Samuel era gente finíssima, nota dez, amigo e pai. Não tenho nem palavras para descrevê-lo. Era muito humilde e sempre ajudou todo mundo, nunca virou as costas para nenhum dos irmãos. Ele era a pessoa que apaziguava todo mundo quando surgiu algum problema na família — disse Robson.

Via: Jornal Extra

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.