Jornal Povo

Disque Denúncia: 2019 bateu recorde de reclamações contra milícias

As denúncias contra milícias bateram recorde no ano de 2019 na cidade do Rio. E localidades da Zona Oeste lideram o ranking de ligações. É o que aponta levantamento feito pelo Disque Denúncia a pedido de O DIA.

No ano passado, de um total de 45.531 ligações, 7.601 (16%) faziam referências aos grupos paramilitares. “São denúncias desde a localização de procurados a extorsões”, afirmou o coordenador do programa, Zeca Borges.

No ranking geral de delitos denunciados ao telefone 2253-1177, a milícia saltou do quarto lugar em 2018, com 6.356 registros, para o segundo crime mais denunciado no Rio em 2019. O tráfico de drogas continua sendo o líder em denúncias, com 10.676 (23%) dos telefonemas ano passado.

Em 2019, o bairro de Jacarepaguá foi o líder em denúncias contra a milícia, com 1.282 ligações — Taquara (226) e Praça Seca (376). Muitas delas faziam referências aos milicianos que agiam na Favela da Muzema, onde, em abril, dois prédios construídos por paramilitares desabaram, deixando 24 mortos. Em seguida, ainda na Zona Oeste, os campeões de denúncias de atuação de milicianos são Campo Grande, com 503 registros, e Santa Cruz, com 401.

De acordo com o promotor Luiz Ayres, que atua com investigações na área criminal, milicianos mudaram a forma de matar nos últimos anos. “Quando os grupos surgiram, eles deixavam os mortos pela rua, como uma forma de recado. Mas isso deixava rastros para a investigação. Agora, eles desaparecem com os corpos”, disse.

Segundo o Instituto de Segurança Pública (ISP), a Zona Oeste possui, no Estado do Rio, duas das cinco delegacias que mais registraram desaparecidos em 2019: Taquara (139) e Campo Grande (151). No período, o Gaeco, o grupo do Ministério Público, denunciou 1.060 pessoas e prendeu 336 milicianos.

O miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko ou Didi, é considerado o líder da antiga milícia denominada Liga da Justiça, que age em várias regiões da Zona Oeste do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense. Com 12 anotações criminais, Ecko é considerado foragido da Justiça e contra ele há um mandado de prisão pelo crime de homicídio.

A ascensão de Ecko ao comando da maior milícia do Estado ocorreu por conta da morte de seu irmão Carlos Alexandre Braga, o Carlinhos Três Pontes em abril de 2017. Segundo policiais, ele é usuário de cocaína e obtém renda não somente com a extorsão a comerciantes e moradores, mas também com lucros do tráfico de drogas.

Via: O Dia

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.