Jornal Povo

Comissão da Câmara ouvirá ex-presidente do STF nesta quarta-feira sobre prisão em 2ª instância

A comissão especial da Câmara dos Deputados que discute a prisão após condenação em segunda instância ouvirá nesta quarta-feira (4) o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Cezar Peluso.

Defensor da medida, Peluso é considerado por deputados o autor intelectual da proposta de emenda à Constituição (PEC) apresentada por Alex Manente (Cidadania-SP) e aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ), em novembro.

Quando ainda presidia a STF, em 2011, Peluso propôs reduzir o número de recursos ao Supremo e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), por meio de um projeto conhecido à época como “PEC dos Recursos”.

A proposta na Câmara segue a mesma linha. Modifica os artigos 102 e 105 da Constituição, acabando com o recurso extraordinário, apresentado ao STF, e com o recurso especial, apresentado ao STJ.

Na prática, de acordo com a PEC, o réu só poderá recorrer até a segunda instância e, depois disso, o processo transitará em julgado. O caso até poderá seguir para o STF ou STJ, mas por meio de uma nova ação para questionar aspectos formais da sentença.

A participação de Peluso na comissão marca o início das audiências públicas sobre o tema, que devem se estender pelos meses fevereiro e março. O ministro da Justiça, Sergio Moro, também deverá ser ouvido pelos integrantes do colegiado.

Segundo o cronograma aprovado pelos parlamentares, a comissão fará ao todo oito audiências públicas para debater a proposta.

O Senado também discute o tema, mas propõe alterar o Código de Processo Penal (CPP) e não a Constituição para retomar a prisão após a segunda instância. O texto dos senadores também já passou pela CCJ da casa e aguarda análise do plenário.

A matéria sobre o início da execução da pena estava parada no Congresso e voltou a tramitar dias após o STF mudar de entendimento até então vigente e decidir que a prisão de uma pessoa condenada só pode ser decretada após o trânsito em julgado, quando não cabem mais recursos.

Foro privilegiado

Presidente da comissão especial, o deputado Marcelo Ramos (PL-AM) defende que a Câmara vote primeiro um projeto que limite o foro privilegiado de autoridades (prerrogativa de ser investigado por tribunais superiores) e só depois aprove a prisão após segunda instância.

Já aprovada no Senado, a PEC do foro privilegiado prevê limitar a prerrogativa em casos de crimes comuns para apenas cinco autoridades: presidente e vice-presidente da República, presidente da Câmara, presidente do Senado e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

“No Brasil todo mundo tem direito a uma revisão por órgão colegiado. Por isso que o ideal é acabar o foro privilegiado primeiro”, disse o deputado.

“Se não acabar o foro privilegiado, vamos ter de garantir o duplo grau de jurisdição a quem tem o foro. Teremos de garantir um recurso e resguardar isso no texto da PEC ”, completou.

No entanto, para Fábio Trad (PSD-MS), relator da PEC da segunda instância, a questão do foro privilegiado não deve impactar no parecer. Ele disse que pretende apresentar seu relatório até o final de março para ser votado na comissão.

“Todo mundo, inclusive os políticos, sendo aprovada a nossa PEC, vai ter que começar a cumprir pena só depois de revisada a primeira decisão”, afirmou o relator, deputado Fábio Trad (PSD-MS).

Calendário

Apesar do calendário apertado, com uma série de projetos considerados prioritários pelo governo, entre os quais a reforma tributária e as PECs emergencial e do Pacto Federativo, deputados ouvidos pelo G1 acreditam na aprovação da proposta ainda no primeiro semestre.

“Na prioridade da Câmara está a tributária e a segunda instância”, disse o deputado Deputado Hildo Rocha (MDB-MA), um dos integrantes da comissão especial.

A aposta dos deputados é de que o apelo popular agilizará a tramitação da PEC no parlamento.

“Tenho certeza que vai andar rápido. Há o interesse do presidente e do relator. Precisamos aprovar no primeiro semestre, porque é ano eleitoral e tem também a necessidade de não perder o timing. Tem cobrança da população. É um apelo da sociedade”, afirmou Aliel Machado (PSB-PR), vice-presidente da Comissão.

“Acredito que aprova [no primeiro semestre]. É uma pauta que tem apelo da população”, disse deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS).

Fonte: G1


Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.