Jornal Povo

Polícia conclui que adolescente foi morto por engano em ataque a barbearia; PMs são investigados

RIO — A Polícia Civil concluiu que o adolescente Kelvin Gomes Cavalcante, de 17 anos, não era o alvo do ataque a tiros que terminou com sua morte, em outubro do ano passado, na Favela Para-Pedro, em Colégio, Zona Norte do Rio. Testemunhas contaram na Delegacia de Homicídios que Kelvin estava sentado na frente de uma barbearia, na fila para cortar o cabelo, quando foi alvo de seis disparos. Dentro do estabelecimento, na cadeira do barbeiro, estava um gerente do tráfico na comunidade, conhecido como Radical — a quem os tiros eram endereçados.


Além de Kelvin, outros três jovens que estavam na frente do estabelecimento foram baleados. Os sobreviventes contaram à especializada que os atiradores estavam à paisana: um vestia camisa branca e bermuda, o outro estava sem camisa e usava uma bermuda vermelha. Os assassinos sequer abordaram os jovens, só chegaram ao local por um beco e começaram a atirar. Antes de fugir em direção à Avenida Pastor Martin Luther King Jr., um deles disse aos sobreviventes: “Deixa ele agonizar”.

Além de tentar identificar os atiradores, a DH também apura a participação de policiais militares do batalhão de Irajá, o 41º BPM — vizinho à favela —, no crime. Duas testemunhas citaram, em seus depoimentos, que assassinos e PMs foram vistos juntos no dia do ataque.

PM foi preso durante protesto em enterro Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo
PM foi preso durante protesto em enterro Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo

Uma delas afirmou que, antes do crime, os dois assassinos à paisana estavam perto de uma viatura do batalhão, com um PM fardado, num dos acessos à favela. Outra testemunha alegou que, durante o socorro de Kelvin até o Posto de Assistência Médica (PAM) de Irajá — onde o jovem foi declarado morto logo depois, viu os atiradores junto a um grupo de policiais militares fardados fora da favela.

Na época do crime, Kelvin trabalhava como carregador na Central de Abastecimento do Rio (Ceasa) e ajudava o pai, que tem uma empresa de instalação de portas e esquadrias de alumínio.

Mãe entregou cápsulas para investigadores

Kelvin foi atingido por seis disparos — cinco no peito e um na cabeça. Como o adolescente foi socorrido por moradores da favela para o Posto de Assistência Médica (PAM) de Irajá, a cena do crime foi desfeita e não houve perícia no local. Entretanto, a mãe do adolescente, a confeiteira Izabel Viana, de 47 anos, levou à DH estojos de munição .40 recolhidos por moradores. O calibre é usado pelas polícias Civil e Militar.

— Eu quero saber quem matou meu filho. Ele estava no lugar errado e na hora errada. Não tinha nada a ver com o que houve ali. Essas pessoas têm que pagar — afirmou a mãe.

Moradores da favela Para-Pedro ouvidos pelo GLOBO afirmaram que não houve invasão à favela naquele dia. Também não foram registradas entradas de facções rivais na favela depois do ataque.

Após o enterro de Kelvin, parentes fizeram um protesto na porta do Cemitério de Irajá. Durante a manifestação um PM do 41º BPM foi preso em flagrante pela Corregedoria da corporação por dar um chute num manifestante e atirar duas vezes para o alto com um fuzil. À época, a PM alegou que o agente “se descontrolou e realizou disparos de arma de fogo”. Após os disparos, um ônibus foi depredado próximo à favela. Segundo a corporação, o PM seria “avaliado e acompanhado pelo setor de psicologia”.

Fonte: O Globo

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.