Jornal Povo

‘Queria conhecer a realidade’, diz japonês que gravou vídeo com traficantes no Vidigal

O youtuber japonês Ryosuke Watanabe, de 30 anos, que causou polêmica por ter segurado a arma de traficante no Vidigal, Zona Sul do Rio, e tirado fotos com outro criminoso, explicou o motivo que o levou a fazer isso.

Ryosuke disse que, apesar de sentir medo, sua intenção era mostrar aos seguidores japoneses como é a realidade em uma comunidade no Brasil.

— Eu estava com medo de entrar naquela área, mas eu queria conhecer a realidade. As notícias que recebemos diariamente podem ser verdadeiras ou não. E os japoneses enxergam a paz como uma coisa garantida. Foi por isso que eu quis falar para eles como é uma favela de verdade no Brasil — afirmou.

O influenciador digital disse que já tinha conhecimento sobre os riscos maiores em algumas regiões do Rio e que sabia sobre episódios recentes de violência urbana, mas demonstrou que estava acostumado, por ter visitado países na América Central e “lugares perigosos” na Ásia.

— Eu quis mostrar a obscuridade do mundo que não é reportada como verdade. A experiência mais surpreendente foi que há tantas facções, e facções armadas, e eles (criminosos) não largam os radiocomunicadores. Talvez eles sempre verifiquem as pessoas, incluindo a polícia — acrescentou.

Ryosuke, que começou seu canal no YouTube em abril do ano passado, contou que o tema do projeto é “Bucket list”, que significa uma lista de atividades que ele gostaria de realizar antes de morrer. Em geral, essas aventuras envolvem viagens. O japonês disse já ter visitado 75 países.

— Enquanto sigo meus sonhos, eu vou mostrar a realidade do mundo, as partes boas e ruins, a verdade não dita, os problemas dos países. E eu quero combater a pobreza e problemas de educação. É por isso que eu também atuo como voluntário — frisou.

As imagens polêmicas dele no Vidigal foram registradas em dezembro do ano passado. A pistola é entregue por um homem que teve o rosto borrado. O youtuber aponta a arma para a própria cabeça e arranha o português para pedir uma foto com o grupo, que a princípio nega. Por fim, ele consegue fazer um registro sorrindo ao lado de um deles. É possível ouvir até mesmo trechos da comunicação via rádio feita entre os traficantes.

O local é o mesmo onde quatro pessoas foram mortas durante uma operação da Polícia Militar no Vidigal em janeiro. As famílias de duas vítimas negam envolvimento delas com o tráfico.

Professora de japonês no Instituto Brasileiro de Línguas (IBL) em Niterói, Bruna Faria traduziu algumas das declarações de Ryosuke no encontro.

— Milagrosamente a gangue consentiu as filmagens. Até me recomendaram uma pose — disse ele.

Em outro momento, ele ressalta:

— É uma arma de verdade!

Após a visita na Rocinha, ele compartilhou uma foto do local no Instagram. Na legenda, escreveu: “De qualquer forma, é divertido conhecer, ver e ouvir um novo mundo. Você não precisa de ‘coragem’ pra fazer algo novo. Apenas estar ‘preparado'”.

Via: Jornal Extra

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.