Para não gastar com água mineral, consumidores buscam fonte no Alto da Boa Vista

Com o prolongamento da crise da água e para não gastar com água mineral, algumas pessoas madrugam para pegar água direto de uma fonte na Estrada do Açude, no Alto da Boa Vista. Moradores de vários pontos do Rio vão até o local em busca de água limpa.

Ivan Lauro Júnior ficou mais de sete horas para conseguir encher os galões que levou de água. “Já estive outras vezes. Pego quantidade, máximo que der, durante semana a gente trabalha, estuda, fica meio enrolado vir aqui”, afirmou.

A espera é longa porque cada pessoa quer levar uma quantidade de litros de água para a semana inteira. Quem vai ao local precisa de paciência para enfrentar a espera.

“Ontem eu cheguei aqui 4h e saí às 10h30. Muita fila, muita gente vindo de vários lugares, muita gente mesmo”, destacou um dos homens na fila.

De acordo com Roberto Medronho, médico infectologista da UFRJ, a água vinda da fonte não tem procedência comprovada. O fato de não ter cheiro ou gosto não é uma segurança para quem está bebendo.

“Se a água estiver contaminada, ela não provoca mudança na aparência da água”, destacou Medronho.

Várias doenças estão entre os problemas de saúde que podem ser causados pela água sem tratamento. “Pode trazer diarreias causadas por vírus ou por bactérias, podendo também ter hepatite A e, eventualmente, leptospirose, se estiver contaminada com a urina do rato”, disse o médico infectologista.

Entre as recomendações para que o consumo se torne seguro, Medronho sugere que a água seja fervida e o uso de pastilhas de cloro.

Os problemas com a qualidade de água que chega às torneiras no Rio de Janeiro e em parte da Região Metropolitana começou no dia 6 de janeiro, quando moradores de pelo menos nove bairros reclamaram da qualidade da água.

No dia seguinte, a Cedae atribuiu o problema a uma substância chamada geosmina, produzida por algas, e que não causaria nenhum risco à saúde dos consumidores.

Especialistas em engenharia sanitária e tratamento de água alertaram que boa parte dos mananciais que fornecem água para a Estação do Guandu, responsável pelo abastecimento de nove milhões de pessoas, estão poluídos.

Para resolver o problema, a Cedae passou a aplicar carvão ativado e argila para minimizar os efeitos da geosmina. Enquanto isso, o Procon-RJ alertou sobre casos de aumento de até 40% no preço dos galões de água.

Via: G1

Facebook Comments

Open chat
Anuncie AQUI! >>>
Olá!
Gostaria de anunciar sua marca aqui?
Powered by