Jornal Povo

Deputado do PDT pede ao STF investigação criminal contra Paulo Guedes

O deputado federal Paulo Ramos (PDT-RJ) apresentou ao STF (Supremo Tribunal Federal) uma representação contra o ministro da Economia, Paulo Guedes, pedindo que a Corte afaste Guedes do cargo e tome providências para que o ministro seja investigado e denunciado por crimes contra a administração pública, como prevaricação e tráfico de influência.

Segundo o deputado, Guedes ainda gere fundos de investimentos, bancos e outras empresas no mercado financeiro. Esses negócios estariam sendo beneficiados por decisões do ministro desde a posse no cargo. Procurado pelo UOL, o Ministério da Economia disse que não vai se manifestar sobre as acusações.

De acordo com Ramos, a situação de Guedes “remete a uma verdadeira captura interna do Estado, em que o representado [Paulo Guedes] permanece como cotista de diversas empresas de segmentos diretamente interessados nas atribuições do cargo por ele exercido atualmente”.

O deputado afirma que o ministro usa sócios minoritários para disfarçar a rede de negócios que comanda. Além disso, teria nomeado ex-sócios e familiares para a presidência de conselhos e postos estratégicos dentro do ministério.

Para Ramos, Guedes atua como “um infiltrado na máquina pública, com amplos poderes sobre a economia”, que “orienta decisões descabidas e contempla interesses dos grupos financeiros com os quais construiu sua trajetória profissional”.

Só PRG pode denunciar ministro

A mesma representação havia sido entregue à PGR (Procuradoria-Geral da República) em dezembro. A PGR afirmou que o processo está em sigilo e que, portanto, não pode informar sobre o seu andamento dentro do órgão.

Como ministros têm foro especial no STF, apenas a PGR pode apresentar denúncia criminal contra eles.

De acordo com o advogado criminalista Jonathan Raicher, se o STF entender que há inícios de crime, pode solicitar que a Procuradoria-Geral abra uma investigação contra Guedes. Mas o STF não pode iniciar um processo criminal contra o ministro sem que haja uma denúncia formal.

A PGR está sob comando do procurador-geral Augusto Aras. Ele foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mesmo sem estar entre os três mais votados na eleição realizada entre membros do Ministério Público Federal. A escolha a partir da lista tríplice não é obrigatória, mas se tornou uma tradição desde 2003. O nome de Aras foi aprovado pelo Senado em setembro de 2019.

O deputado do PDT também encaminhou a representação, no fim de 2019, à Procuradoria da República no Distrito Federal (PRDF), ao Tribunal de Contas da União (TCU) e aos membros da Comissão de Ética Pública da Presidência da República.

Via: Notícias UOL

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.