Jornal Povo

Crivella pede desculpas após culpar ‘grande parte da população’ do Rio por problemas causados pela chuva

O prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (Republicanos) pediu desculpas nesta terça-feira (3) por ter colocado a culpa das consequências da chuva que atingiu a cidade na população.

Nesta segunda (2), ao visitar Realengo, um dos bairros mais afetados pelo temporal, o prefeito disse que o principal problema não era a chuva em si, mas a quantidade de lixo jogada pela população nos rios e encostas.

“Talvez eu tenha me expressado mal e quero até pedir desculpas. Mas realmente o apelo que eu faço é que a gente evite colocar lixo nas encostas”, disse o prefeito.

Três pessoas morreram na capital após o temporal do fim de semana. Outras duas pessoas morreram por causa da chuva em Queimados e Mesquita, municípios da Baixada Fluminense.

O prefeito se reuniu por mais de duas horas com seus secretários no Centro de Operações da Prefeitura do Rio (COR).

Também em Realengo, Crivella foi atingido por um pedaço de barro na cabeça pouco antes de falar com a imprensa. O prefeito, no entanto, não comentou o ocorrido e a entrevista prosseguiu.

Crivella também exemplificou o que pode acontecer com grande quantidade de lixo na água corrente, especialmente quando chegarem aos leitos mais sinuosos dos rios, chamados talvegues.

“As pessoas costumam construir suas casas, porque está perto do Rio para jogar os dejetos. Naquele momento em que as águas com lixo correm para os talvegues, derrubam as casas. Lá no Barata[área de Realengo], isso virou uma cachoeira, uma cachoeira forte”, disse.

Desapropriações

Durante a entrevista nesta terça, Crivella também disse que, depois da chuva, vai retomar conversas para desapropriar moradores que vivem em um trecho próximo do Rio Grande, em Jacarepaguá, na Zona Oeste.

“Nos já tínhamos obras de canalização. Mas nesse trecho onde houve desabamento de residências, nós tivemos problemas nas desapropriações. Hoje mesmo nossas equipes estarão indo ao local para retomar esse diálogo, para que sejam indenizados e buscar outra lugar para morar”, disse ele.

As desapropriações podem atingir as pessoas que moram em 200 casas na região.

“Há um risco de vida, e nos gostaríamos de empregar recursos, porque a partir do momento em que a gente faz essa desapropriações, nos vamos poder fazer a obra que ficou interrompida ali”, explicou.

Via: G1

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.