Jornal Povo

Alerta: golpe pelo WhatsApp ‘fisga’ 2 milhões pessoas

Não bastasse a ameaça do coronavírus, que é real e já vitimou mais de 300 mil pessoas em todo o mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), agora os cidadãos brasileiros têm que lidar com golpistas que se aproveitam da boa-fé e do desespero das pessoas para roubar dados e senhas bancárias. O dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, alerta que encontrou 19 golpes e seis aplicativos maliciosos que utilizam a doença e o isolamento social como pretexto para atrair a população, atingindo mais de 2 milhões de pessoas.

Outro levantamento, mas desta vez da empresa de segurança Apura, mostra que foram encontrados 2.236 sites sem certificado de segurança com a palavra “coronavírus” no domínio na semana passada. Henrique Lopes, especialista em segurança da informação, explica que grandes eventos, como o novo coronavírus, facilitam a ocorrência de golpes cibernéticos, e ninguém está livre das tentativas. “No caso do coronavírus, a abrangência dos ataques vai desde grupos da escola em qualquer faixa etária até pessoas que investem no mercado financeiro”, apontou.

Nos últimos dias, os principais golpes pelo WhatsApp foram relacionados à Ambev, que anunciou a produção e distribuição de frascos de álcool em gel para hospitais, e à Netflix, que oferece serviço gratuito aos primeiros cadastros durante a pandemia. Não clique, é golpe! Outro golpe pelo aplicativo de mensagem pede ao usuário para clicar em um link para se cadastrar e receber os R$ 200 de auxílio que o governo federal vai direcionar a autônomos e trabalhadores informais. Quem clicar nesse endereço eletrônico vai ser redirecionado a uma página e pode ter muita dor de cabeça: os falsários roubam dados do usuário. Segundo Emilio Simonini, diretor do dfndr, a maioria dos golpes tem o objetivo de roubar dados pessoais e financeiros, como senhas bancárias, ou levar as vítimas a páginas falsas. É possível ainda instalar um malware (programa espião) que captura senhas, alertam especialistas.

“Para tornar o ataque mais verídico, alguns golpes se aproveitam de ações reais que grandes empresas e o governo estão realizando para enfrentar o coronavírus”, alerta Simoni. “A tendência é que o número de ataques e de vítimas aumente nos próximos dias, principalmente em decorrência do agravamento da situação do país”, continua.

Prevenção
Simoni dá duas dicas primordiais: é preciso desconfiar de informações sensacionalistas e ter cuidado ao clicar em links compartilhados no WhatsApp e redes sociais. Ele orienta o usuário que receber estas mensagens a não compartilhar com sua rede de contatos para evitar a propagação do golpe. 

No caso de golpes cibernéticos, o recomendado é sempre a prevenção e, para Lopes, o primeiro passo é instalar um anti-vírus confiável. Depois, o usuário deve fazer todas as atualizações pedidas pelo fabricante e procurar um especialista ou familiar de confiança que entenda de tecnologia. Caso o dispositivo esteja contaminado, o usuário deve fazer o backup dos dados em uma nuvem ou HD externo e, depois, reformatar a máquina.

Enxurrada de fake news
Coronavírus, falta de insumos, população pobre que não tem dinheiro nem para comprar sabonete, desencontro governamental de medidas para conter a propagação do vírus e, como se não bastasse tudo isso, enxurrada de fake news por todos os lados. Esse é o retrato caótico que encontramos.
Um áudio que circulou pelo WhatsApp, creditado ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, falava sobre semana crítica de contaminação por coronavírus. O ministro em entrevista coletiva desmentiu o áudio. “É mais uma fake news para a coleção das fake news, das mais idiotas, que acontecerão durante esse período de caminhada pela frente”, disse no domingo.

O ministro disse que não pretendia participar da divulgação dos novos dados referentes à doença para poder descansar, mas, assim que soube do áudio fraudulento que circulava, decidiu ir para fazer o desmentido.
Mandetta pediu para as pessoas não acreditarem no aúdio e assegurou que não costuma enviar esse tipo de mensagem “nem para a esposa”. “Não sei nem como se faz isso (gravar áudio no celular)”, ressaltou, acrescentando que não achou também a voz da gravação parecida com a sua.

No áudio falso, um homem com voz parecida com a do ministro alerta que esta semana seria a “mais crítica para a transmissão do vírus” e convoca todos a ficarem em casa para “virar o jogo”.

Na coletiva de domingo, o ministro ressaltou mais de uma vez para as pessoas ficarem atentas para não acreditar em fake news. “Quem faz isso é uma pessoa má, que não sabe o sofrimento que provoca (com ações assim)”, lamentou.

Falsa suspeita de assalto
Na internet, os brasileiros também devem estar atentos às fake news. Na quinta-feira, um áudio de WhatsApp circulou nas redes sociais denunciou um suposto assalto a um prédio no bairro do Flamengo, na Zona Sul, por pessoas que se passavam por agentes de saúde que faziam testes para o novo coronavírus.

Ainda na quinta, a informação foi desmentida pela Polícia Militar, pela Polícia Civil e pela Secretaria Estadual de Saúde, que negou o envio de agentes de saúde à casa dos moradores.

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.