Jornal Povo

Mensalidades escolares em tempos de coronavírus: Conheça o direito do consumidor

Com a recomendação de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus, muitos serviços tiveram que ser adiados ou cancelados. E um dos primeiros setores a parar foi o da educação, com o fechamento de diversas escolas, cursos e universidades.

Diante da interrupção das atividades, quais são os direitos dos consumidores? Dá para deixar de pagar a mensalidade da escola dos filhos, por exemplo? Os órgãos de defesa dos consumidores estão trabalhando com cautela neste momento, sempre sugerindo o diálogo e o acordo.

Escolas, cursos e faculdadesNo caso das escolas, cursos e faculdades, a regra fica um pouco mais clara do que nos outros setores. Com o aumento dos questionamentos a respeito dos serviços relacionados à educação, a Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, resolveu divulgar uma nota técnica sobre o tema.No documento, a Senacon deixa claro que a melhor solução é que o serviço seja prestado de outra maneira, a fim de evitar cancelamento de contrato. Nesse caso, há duas formas nas quais o conteúdo programado pode ser cumprido: ou com a modificação do calendário, oferecendo as aulas posteriormente (como no período de férias), ou com o oferecimento de aulas na modalidade a distância.

Em ambos os casos, é preciso que a instituição educacional cumpra os conteúdos e a carga horária de acordo com a legislação do Ministério da Educação. Dessa forma, o pagamento deve ser mantido da maneira que havia sido acordada anteriormente.

“Fica evidente que não é cabível a redução de valor das mensalidades, nem a postergação de seu pagamento. É preciso ter claro que as mensalidades escolares são um parcelamento definido em contrato, de modo a viabilizar uma prestação de serviço semestral ou anual. O pagamento poderia ocorrer em parcela única, ou em número reduzido de parcelas, mas essas opções tornariam mais difícil o pagamento pela maior parte das famílias”, esclarece a nota técnica da Senacon.

Em quais situações posso ter meu dinheiro de volta?Os consumidores podem deixar de pagar as escolas, cursos livres ou faculdades quando não houver o cumprimento do conteúdo e carga horária de outra forma. “O consumidor poderá contestar, pedir abatimento do preço ou ingressar com ação judicial caso as matérias e conteúdos previstos não sejam integralmente ministrados”, explica Juliana Moya, Especialista em Relações Institucionais da Proteste.

Outra situação em que o consumidor pode ter seu dinheiro de volta é em caso de cursos mais curtos e pontuais. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) explica que se um curso de curto período for adiado e o aluno não puder comparecer na nova data, ele pode cancelar o contrato sem o pagamento de multas ou com o recebimento de valores previamente pagos.

Fonte: O Dia

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.