Crivella anuncia cartão para crianças dos programas Bolsa Família e Cartão Carioca; distribuição começa nesta quinta

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), anunciou durante uma coletiva no Riocentro, na Zona Oeste do Rio, nesta quarta-feira (8), que crianças de famílias que fazem parte do Programa Bolsa Família e do Cartão Carioca vão receber um vale para a compra de cestas básicas em supermercados.

O prefeito também anunciou que as escolas municipais vão permanecer fechadas até o dia 30 de abril. A data inicial para a volta das aulas nas escolas municipais era dia 12 de abril.

De acordo com o prefeito, o Banco do Brasil irá distribuir os cartões nesta quinta-feira (9). A expectativa é atender entre 70 e 80 mil crianças. Crivella disse ainda que as diretoras de escolas e creches já estão em contato com as famílias para o recebimento do cartão. O plano é distribuí-los de forma agendada para evitar aglomerações.

Veja abaixo outros pontos abordados pelo prefeito na entrevista:

Comunidades

prefeito afirmou que há duas mortes por coronavírus registradas na Rocinha, na Zona Sul, e fez um apelo aos moradores das comunidades.

Crivella voltou a falar sobre a baixa adesão dos idosos, que vivem em comunidades, aos hotéis que foram cedidos como local de abrigo. Segundo o prefeito, das 1 mil vagas oferecidas, apenas 20 foram ocupadas.

Transportes

Crivella disse que houve uma negociação com as empresas de ônibus que têm licença com vencimento este ano. Cerca de 600 ônibus deveriam ser trocados por falta de climatização, mas por causa da pandemia, haverá uma tolerância.

“Todas as empresas que têm ônibus com licença que vence em 2020 não precisam tirar o ônibus da praça. Pode continuar rodando até o fim do ano. Ficou acertado e vai ser publicado. Esses 600 ônibus que deveriam ser trocados esse ano, a maioria não deve ter ar e deveria. Devido ao problema do coronavírus, vamos ter que tolerar. Não vamos ter 100% da frota [climatizada]”, afirmou.

Segundo o prefeito, ele está tentando liberar o dinheiro recuperado pela Operação Lava-Jato para pagar rodoviários. Nesta terça-feira (7), funcionários da empresa Paranapuan fizeram um protesto depois de descobrirem um desconto no salário.

Crivella também elogiou a operação do BRT nesta quarta. O consórcio aumentou a frota de ônibus e, como mostrou reportagem do Bom Dia Rio, os articulados não saíram com passageiros em pé.

“Hoje me parece que a gente conseguiu diminuir o número de passageiros em pé no BRT. Isso se deu também por causa da mudança no horário de funcionamento de parte do comércio e da indústria. Estamos pedindo para indústria começar até 6h o primeiro turno. Quero agradecer ao BRT, que também colocou ônibus comuns, o que ajuda pra ‘chuchu’. Espero que também coloquem na volta para casa”, disse.

Casos de Covid-19 e os hospitais

O prefeito lamentou o número de casos no município e disse que “para nossa tristeza, não conseguimos fazer com que a curva diminua”.

Com relação aos equipamentos que o município do Rio tem para enfrentar o coronavírus, o prefeito negou qualquer tipo de preocupação.

Ele destacou uma doação da empresa de automóveis Nissan, que vai ceder carros para ajudar na distribuição de material de saúde nos hospitais.

“Hoje no município não tenho razões para me preocupar com equipamentos. Tenho 30 casos de UTI. Não tenho o porquê de me preocupar. Se for ver todos os casos, sobre para 100”, declarou.

Ainda de acordo com Crivella, há um projeto para a construção de um novo hospital em Benfica, no Centro do Rio, mas deve demorar mais tempo.

Questionado sobre um possível atraso nos pagamentos de funcionários das Organizações Sociais (OS), o prefeito disse que não tinha informação.

“Durante meu governo todo tive problema com as OS. A prestação de contas era complicada. Foi uma luta tão grande que resolvemos tiras as OS e colocar a RioSaúde. Hoje, se tiver problema, deve ser bem pequenininho”, afirmou.

Serviços durante a pandemia

O prefeito reforçou a necessidade de manter uma distância mínima durante o período de pandemia de Covid-19. Crivella afirmou que os serviços “não estão proibidos na cidade”, mas é preciso ficar atento para “regras”.

“A gente não pode ter contato com menos de 1,80 metros, seis passos. É a regra adotada nos Estados Unidos. Fazer barba e cortar cabelo não dá porque ninguém tem braço de 1,80 metros”, disse.

O prefeito também afirmou que os quiosques da orla podem trabalhar com sistema “drive-thru”. E fez uma sugestão.

“A pessoa para, pega sua sacolinha, paga e vai embora. Não pode ter show, nem mesas e cadeiras, porque o grande problema nosso é a aglomeração”, afirmou.

Crivella disse que o estado não pode interferir no funcionamento das igrejas como está na Constituição, mas fez um apelo para que padres, cardeais e bispos evitem aglomerações.

Fonte: G1

Facebook Comments

Open chat
Anuncie AQUI! >>>
Olá!
Gostaria de anunciar sua marca aqui?
Powered by