‘O presidente radicalizou num sentido que só pode significar que ele está imbuído de má intenção’, diz ex-coordenador da Lava-Jato

SÃO PAULO – Coordenador da força-tarefa da Lava-Jato entre 2014 e 2018 e pessoa da convivência do ex-ministro Sergio Moro há pelo menos 22 anos, o procurador da República aposentado Carlos Fernando dos Santos Lima crê que o colega foi empurrado para a política, contra sua vontade, e trouxe em seu depoimento elementos que justificam a abertura de um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

— O presidente radicalizou num sentido que só pode significar que ele está imbuído de má intenção, que é o poder político tomar conhecimento de informações de investigações criminais — alerta.

Ele aponta o risco de uma acomodação anticombate à corrupção, na articulação do presidente com o centrão.

A ameaça à autonomia da PF existia em outros governos?

Houve tentativa de interferência em governos anteriores, em especial no de Temer. Naquele tempo sequer tínhamos uma pessoa de interlocução e de nossa confiança no Ministério da Justiça, por isso ficava complicado. No governo Dilma, a manutenção do (Leandro) Daiello era sempre uma dificuldade, ele dependia muito das nossas manifestações públicas a favor da independência das investigações. A PF não tem essa proteção que o Ministério Público e o Judiciário têm.

Foi correta a saída do Moro?

Correta. Eu já estava engasgado com Bolsonaro desde o episódio do Coaf, porque tenho uma consideração enorme pelo Roberto Leonel (ex-presidente do Coaf) e achei que a condução daquele episódio já mostrava que não havia um compromisso (do presidente) com o combate à corrupção. O compromisso ali era a proteção aos filhos, não é?

O presidente apoiou a decisão do (Dias) Toffoli (presidente do Supremo Tribunal Federal, que restringiu investigações do Coaf), totalmente equivocada, que depois o Supremo reverteu. A gota d’água foi a atuação dele neste episódio da quarentena (do coronavírus). Eu até entendo que exista uma disputa política, essa briguinha de playground, mas quando envolve vida humana não pode.

O presidente foi negligente com a vida dos brasileiros no combate à Covid-19?

Totalmente. Ele tem poucas informações, mas as que são confiáveis, ele aposta politicamente contra isso. Quer ganhar politicamente, mas se estiver errado, o risco são milhares de pessoas morrerem nas portas de hospitais. É inadmissível.

Era o momento adequado para trocar chefe da PF?

Talvez o Bolsonaro esteja realmente preocupado com as investigações do STF, porque o timing dele (para o embate com Moro) é absolutamente sem sentido. Ou talvez tenha ficado feliz com a ideia de que conseguiu derrubar o (Luiz Henrique) Mandetta (ex-ministro da Saúde) e se achou todo-poderoso, ou qualquer outra coisa do tipo.

A Lava-Jato não torceu pelo Bolsonaro?

Eu tive que votar nele no segundo turno. Fazer o quê? O velho Leonel Brizola já dizia que a gente fica entre o diabo e o coisa ruim, por isso o inferno vence sempre. Este é o nosso sistema. E ele não permite a criação de lideranças positivas.

Hoje há risco para o trabalho da Policia Federal?

Sim. O presidente radicalizou num sentido que só pode significar que ele tem má intenção, que é o poder político tomar conhecimento de informações de investigações criminais. O desvio da finalidade das investigações para municiar o poder político é absolutamente ilícito, errado por todos os motivos. Ele (o presidente) pode até dar um passo para trás, mas ele vai dar carga novamente em cima disso, tão logo comece a fritura dos filhos dele nesses inquéritos, se é que já não estão fritos.

Pelo que Moro relatou, o presidente cometeu crime?

Crime de responsabilidade, não tenho dúvida. Muito mais grave do que os da Dilma. Mas o crime de responsabilidade é um conceito muito fluido, e de natureza política. O fato de querer tomar conhecimento, de forma irregular, de informações sigilosas de inquéritos que tramitam em outro poder, para tomar atitudes em relação a beneficiar seus filhos, me parece um crime de responsabilidade claro.

Moro terá que provar essas declarações?

Não foi apresentado motivo para a saída de Valeixo. Temos a palavra de uma pessoa de uma reputação como o Moro, mais uma série de indicativos, isso me parece suficiente para deixar claro a qualquer pessoa de bem o que aconteceu.

Vê ambiente para a abertura do impeachment?

(Rodrigo) Maia (presidente da Câmara dos Deputados) não me parece ter vontade de jogar confete para Moro. Tenho a impressão de que vá acontecer uma acomodação anti-Lava-Jato. De repente eles consigam enquadrar Bolsonaro. Sem uma parte significativa da população que o apoiava, só lhe resta mesmo se submeter ao centrão, algo que ele já começa a fazer. Parecia estar recebendo com mais facilidade investigados da Lava-Jato e do mensalão que o próprio Moro, surpreendido pela mudança na PF.

O senhor se surpreendeu com decisão de Moro?

Me surpreendi que ele não tenha saído antes. Creio que ele se sentiu sendo manietado nesse ano e pouco que ficou lá, mas ainda tentava fazer alguma coisa boa. Chegou um momento em que não havia mais ambiente para isso.

O pensa que ele fará agora?

Estamos vivenciando o mesmo erro que levou o Bolsonaro à Presidência: estão empurrando Moro para a política. Ele nunca quis ir para a política. Mas está sendo empurrado, porque o que pode ser hoje? Político, candidato a vice, talvez senador, algo do tipo. Pode ser advogado, mas é pouco provável. Seria uma alternativa complementar, mas o que resta para uma pessoa com a projeção pública de Moro?

Seria candidato a presidente?

Não acho fácil isso, sem partido ou estrutura. Ele tem nome suficiente. Mas nosso sistema político é tão corrompido e difícil de lidar que seria uma luta árdua. Nesse mar de nulidades e desqualificados, uma pessoa correta e de boa vontade que já teve conhecimento da máquina pública seria um nome perfeitamente palatável.

A força-tarefa Lava-Jato sempre teve pé atrás na crítica ao governo Bolsonaro. A saída do Moro muda isso?

Não podemos dizer que existisse qualquer tipo de posicionamento político dentro da Lava-Jato, tivemos gente que votou no Bolsonaro e no Haddad, por exemplo. A operação se manifestava quando havia algo relacionado ao combate à corrupção. Estávamos tranquilos em relação ao Ministério da Justiça, porque sabíamos que de lá não tomaríamos um tiro pelas costas.

Fonte: O Globo

Facebook Comments

Open chat
Anuncie AQUI! >>>
Olá!
Gostaria de anunciar sua marca aqui?
Powered by