Jornal Povo

Quem larga na frente para comandar a Câmara depois de Rodrigo Maia

“A eleição para escolha do novo presidente da Câmara dos Deputados ainda está distante — ocorre apenas em fevereiro de 2021. Mas movimentações recentes do presidente Jair Bolsonaro na busca por uma base de apoio no Congresso Nacional fizeram com que o assunto entrasse já na pauta da política nacional.

Bolsonaro se reuniu com dois potenciais candidatos a presidir a Câmara a partir do ano que vem: Arthur Lira (PP-AL) e Marcos Pereira (Republicanos-SP). Os dois nomes, além de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), são os mais citados até o momento para a disputa. Além deles, o coordenador da Frente Parlamentar da Segurança, a chamada “bancada da bala”, Capitão Augusto (PL-SP), já faz campanha aberta entre os deputados. Outros cotados para entrar na disputa são Alessandro Molon (PSB-RJ), Marcelo Ramos (PL-AM) e Fábio Ramalho (MDB-MG).”

“Os parlamentares buscam ocupar a cadeira que hoje é de Rodrigo Maia (DEM-RJ), na função desde 2016. O deputado chegou ao posto em um “mandato-tampão” após a queda de Eduardo Cunha (MDB-RJ), foi reeleito em 2017 e venceu a eleição novamente no ano passado, após a mudança da legislatura.

As regras atuais impedem que Maia concorra mais uma vez: a reeleição é vedada dentro de uma mesma legislatura. Como Maia faz uma gestão aprovada pela maior parte dos deputados, chegou-se a discutir a possibilidade de alteração nas regras para permitir uma nova reeleição, mas a ideia não avançou.”

“Jogo de xadrez na Câmara
Maia é também peça-chave para a compreensão da “antecipação” do debate em torno da disputa eleitoral na Câmara. O fato de ele e Bolsonaro terem trocado farpas públicas recentemente ampliou o interesse do presidente da República em ter um aliado seu no comando da Casa, assim como motivou em Maia o desejo de fomentar uma candidatura alinhada com seu pensamento.

Arthur Lira e Marcos Pereira representariam a candidatura mais conectada com Bolsonaro. Pereira, que é o atual vice-presidente da Câmara, tem alguns elementos que ampliam sua proximidade com o presidente da República. Ele é pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, que apoia o governo. O deputado é ainda presidente nacional do Republicanos, partido ao qual se filiaram recentemente dois filhos de Bolsonaro, o senador Flávio e o vereador Carlos.

Já Lira gravou um vídeo ao lado de Bolsonaro no dia 20 de abril, durante reunião entre eles, no Palácio do Planalto. Na gravação, ambos estão bastante sorridentes. O chefe do Executivo manda abraços à esposa e ao filho do deputado alagoano e afirma que Lira é “pai e maridão”. Lira diz que seus familiares são fãs do presidente e a “toda hora” pediam uma gravação ao lado de Bolsonaro. O parlamentar do PP de Alagoas é um dos líderes do Centrão na Casa.”

“À Gazeta do Povo, a assessoria de Pereira disse que o parlamentar considera precipitada a discussão sobre a eleição. “O deputado federal Marcos Pereira afirma que ainda é cedo para tratar de sucessão à Presidência da Câmara. Todas as menções ao seu nome foram feitas por terceiros, sendo que ele próprio nunca se manifestou a respeito do assunto. No entanto, essa é uma discussão que será feita no momento oportuno, tendo em vista que ele está neste momento focado em ajudar o país na luta contra o novo coronavírus”, disse ele, por meio de nota enviada pela sua assessoria.

Um deputado da base governista que conversou em off com a reportagem afirmou que não recebeu, até o momento, nenhuma orientação de Bolsonaro sobre a eleição. “É claro que alguns deputados já se colocam como candidatos e fazem conversas preliminares, mas não houve nenhuma indicação oficial por parte do presidente Bolsonaro. Não procede que já teríamos um candidato”, destacou.

Já a candidatura de Aguinaldo Ribeiro contaria com o respaldo de Maia e dos deputados que, hoje, dão sustentação ao presidente da Câmara. Ribeiro está em seu terceiro mandato e é o atual líder da Maioria na Câmara, posição que o coloca em diálogo constante com parlamentares de diferentes grupos, principalmente do Centrão . Ele foi ministro do governo de Dilma Rousseff (PT).

“O PP vai ter apenas um nome”
O deputado federal Cacá Leão (PP-BA) avalia que as eleições na Câmara passarão a ter um quadro mais consolidado após a eleição municipal, que está inicialmente prevista para outubro, mas pode ter seu calendário alterado por causa da pandemia de covid-19. Muitos deputados são pré-candidatos a prefeito, como Daniel Coelho (Cidadania-PE) em Recife, Joice Hasselmann (PSL-SP) em São Paulo, Marcelo Freixo (PSOL-RJ) no Rio de Janeiro e Elias Vaz (PSB-GO) em Goiânia.

Leão disse ver como “muito bom” o fato de seu partido ter dois nomes citados como possíveis candidatos ao comando da Câmara. Mas, segundo ele, a tendência na legenda é a de se chegar ao entendimento em torno de um só nome. “No momento oportuno, vamos elaborar um consenso e o PP vai ter apenas um nome”, afirmou.”

“Rodrigo Maia vai deixar a presidente da Câmara dos Deputados em fevereiro de 2021, cargo que ocupa desde 2017.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Ouça este conteúdo
A eleição para escolha do novo presidente da Câmara dos Deputados ainda está distante — ocorre apenas em fevereiro de 2021. Mas movimentações recentes do presidente Jair Bolsonaro na busca por uma base de apoio no Congresso Nacional fizeram com que o assunto entrasse já na pauta da política nacional.

Bolsonaro se reuniu com dois potenciais candidatos a presidir a Câmara a partir do ano que vem: Arthur Lira (PP-AL) e Marcos Pereira (Republicanos-SP). Os dois nomes, além de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), são os mais citados até o momento para a disputa. Além deles, o coordenador da Frente Parlamentar da Segurança, a chamada “bancada da bala”, Capitão Augusto (PL-SP), já faz campanha aberta entre os deputados. Outros cotados para entrar na disputa são Alessandro Molon (PSB-RJ), Marcelo Ramos (PL-AM) e Fábio Ramalho (MDB-MG).

Os parlamentares buscam ocupar a cadeira que hoje é de Rodrigo Maia (DEM-RJ), na função desde 2016. O deputado chegou ao posto em um “mandato-tampão” após a queda de Eduardo Cunha (MDB-RJ), foi reeleito em 2017 e venceu a eleição novamente no ano passado, após a mudança da legislatura.

As regras atuais impedem que Maia concorra mais uma vez: a reeleição é vedada dentro de uma mesma legislatura. Como Maia faz uma gestão aprovada pela maior parte dos deputados, chegou-se a discutir a possibilidade de alteração nas regras para permitir uma nova reeleição, mas a ideia não avançou.

“Jogo de xadrez na Câmara”


Maia é também peça-chave para a compreensão da “antecipação” do debate em torno da disputa eleitoral na Câmara. O fato de ele e Bolsonaro terem trocado farpas públicas recentemente ampliou o interesse do presidente da República em ter um aliado seu no comando da Casa, assim como motivou em Maia o desejo de fomentar uma candidatura alinhada com seu pensamento.

Arthur Lira e Marcos Pereira representariam a candidatura mais conectada com Bolsonaro. Pereira, que é o atual vice-presidente da Câmara, tem alguns elementos que ampliam sua proximidade com o presidente da República. Ele é pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, que apoia o governo. O deputado é ainda presidente nacional do Republicanos, partido ao qual se filiaram recentemente dois filhos de Bolsonaro, o senador Flávio e o vereador Carlos.

Já Lira gravou um vídeo ao lado de Bolsonaro no dia 20 de abril, durante reunião entre eles, no Palácio do Planalto. Na gravação, ambos estão bastante sorridentes. O chefe do Executivo manda abraços à esposa e ao filho do deputado alagoano e afirma que Lira é “pai e maridão”. Lira diz que seus familiares são fãs do presidente e a “toda hora” pediam uma gravação ao lado de Bolsonaro. O parlamentar do PP de Alagoas é um dos líderes do Centrão na Casa.

À Gazeta do Povo, a assessoria de Pereira disse que o parlamentar considera precipitada a discussão sobre a eleição. “O deputado federal Marcos Pereira afirma que ainda é cedo para tratar de sucessão à Presidência da Câmara. Todas as menções ao seu nome foram feitas por terceiros, sendo que ele próprio nunca se manifestou a respeito do assunto. No entanto, essa é uma discussão que será feita no momento oportuno, tendo em vista que ele está neste momento focado em ajudar o país na luta contra o novo coronavírus”, disse ele, por meio de nota enviada pela sua assessoria.

Um deputado da base governista que conversou em off com a reportagem afirmou que não recebeu, até o momento, nenhuma orientação de Bolsonaro sobre a eleição. “É claro que alguns deputados já se colocam como candidatos e fazem conversas preliminares, mas não houve nenhuma indicação oficial por parte do presidente Bolsonaro. Não procede que já teríamos um candidato”, destacou.

Já a candidatura de Aguinaldo Ribeiro contaria com o respaldo de Maia e dos deputados que, hoje, dão sustentação ao presidente da Câmara. Ribeiro está em seu terceiro mandato e é o atual líder da Maioria na Câmara, posição que o coloca em diálogo constante com parlamentares de diferentes grupos, principalmente do Centrão . Ele foi ministro do governo de Dilma Rousseff (PT).

“O PP vai ter apenas um nome”


O deputado federal Cacá Leão (PP-BA) avalia que as eleições na Câmara passarão a ter um quadro mais consolidado após a eleição municipal, que está inicialmente prevista para outubro, mas pode ter seu calendário alterado por causa da pandemia de covid-19. Muitos deputados são pré-candidatos a prefeito, como Daniel Coelho (Cidadania-PE) em Recife, Joice Hasselmann (PSL-SP) em São Paulo, Marcelo Freixo (PSOL-RJ) no Rio de Janeiro e Elias Vaz (PSB-GO) em Goiânia.

Leão disse ver como “muito bom” o fato de seu partido ter dois nomes citados como possíveis candidatos ao comando da Câmara. Mas, segundo ele, a tendência na legenda é a de se chegar ao entendimento em torno de um só nome. “No momento oportuno, vamos elaborar um consenso e o PP vai ter apenas um nome”, afirmou.

Maia venceu no primeiro turno em 2019
A última eleição para o comando da Câmara foi decidida no primeiro turno. Maia teve 334 votos na disputa de fevereiro de 2019. O segundo colocado, Fábio Ramalho (MDB-MG), recebeu apenas 66 votos.

O placar confortável registrado a favor de Maia disfarça, entretanto, as longas negociações travadas em torno de sua candidatura. A base de apoio de Jair Bolsonaro tinha interesse em apresentar nomes mais identificados ao presidente da República, como Capitão Augusto, Delegado Waldir (PSL-GO) e até mesmo Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente. Mas houve o entendimento de que o apoio a Maia traria mais frutos ao governo.

No campo oposto da ideologia, a adesão a Maia levou a uma disputa na esquerda: PCdoB e PDT apoiaram Maia, enquanto o PT declarou voto em Marcelo Freixo. O deputado do Rio, entretanto, teve 50 votos, número inferior ao da bancada petista na ocasião.

Maia recebeu, em 2019, 41 votos a mais do que ele obtivera em 2017. Na ocasião, foi escolhido por 293 deputados e também ganhou em primeiro turno. O último colocado daquela eleição recebeu apenas quatro votos: Jair Bolsonaro”.

Fonte: Gazeta do Povo

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.