Jornal Povo

Casa Civil e equipe econômica fecham acordo sobre Pró-Brasil

O ministro da Casa Civil, general Braga Netto, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, definiram a versão final do programa Pró-Brasil que será apresentado ao presidente Jair Bolsonaro assim que ele deixar o isolamento pela contaminação da Covid-19.

O programa se dividirá em dois eixos e incluirá todo o programa do governo até 2022. Um dos eixos, intitulado “Ordem”, refere-se a todo o arcabouço legal que o Planalto pretende encaminhar e aprovar no Congresso. São mudanças, por exemplo, nos marcos legais da cabotagem (abrir o mercado do transporte marítimo), do setor elétrico (privatização da Eletrobrás e a delegação de todos os serviços para a iniciativa privada) e do gás (aumento da concorrência do setor). Além disso, a proposta inclui medidas de desburocratização e digitalização. 

Até mesmo a reforma administrativa está no rascunho que será levado ao presidente, além de todas as fases da reforma tributária, cuja primeira parte foi apresentada hoje e que trata do PIS/Cofins. O governo prevê pelo menos mais três fases separadas para mudar o IPI, o Imposto de Renda e as desonerações.

Em razão da complexidade das mudanças no Congresso e também dos eventuais questionamentos jurídicos que elas devem suscitar, o presidente Jair Bolsonaro buscará um respaldo político do Legislativo e do Judiciário para implementar o Pró-Brasil. A ideia é envolver o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre, do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, e o procurador-geral da República, Augusto Aras, antes da apresentação final do programa.

O outro eixo foi intitulado de “Progresso”. Trata-se da carteira de obras a serem feitas, a ampla maioria a partir de investimentos privados. São privatizações e concessões que vêm sendo planejadas especialmente pela secretária do PPI, Martha Seiller. Integrantes da equipe econômica chegam a falar em um número próximo a R$ 1 trilhão em investimentos. Neste item, foi solicitado a todos os ministérios que apresentassem todas as sugestões. Na seleção, foram consideradas critérios como 1) quais eram passíveis de entrega até 2022 — ano em que Bolsonaro deve tentar a reeleição — 2) quais já tinham projeto concluído; 3) impacto na geração de empregos e 4) se atende aos critérios da OCDE, a organização econômica que o Brasil reivindica inclusão. A expectativa é de que o desenho final fique em grandes 30 obras para serem entregues até o final deste mandato.

“O eixo Ordem é para viabilizar e impulsionar o eixo Progresso. A ideia é que os marcos regulatórios do eixo Ordem sirvam para promover os investimentos do eixo Progresso”, disse à CNN o general Braga Neto. De acordo com ele, o Pró-Brasil é a ferramenta para a implementação do programa de governo que foi batizado por Paulo Guedes de “Caminho da Prosperidade”. 

O governo pretende inclusive criar um selo Pró-Brasil para definir as ações. Há uma preocupação, porém, em especial da equipe econômica, em desvincular a ideia do Pró-Brasil do Programa de Aceleração do Crescimento. “O PAC tinha basicamente obras com investimento público priorizadas na execução orçamentária. O Pró-Brasil é uma ferramenta para execução do programa de governo de 2018. Seu viés é completamente liberalizante da economia com atração de investimentos privados”, disse à CNN o secretário-executivo Marcelo Guaranys.

Fonte: CNN

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.