Condenado pela Justiça,e sem direito a novos recursos vereador Dedinho  está  fora da disputa pela prefeitura de Nilópolis

Acabaram as esperanças do Presidente da Câmara de vereadores de Nilópolis Jorge Henrique da Costa Nunes,  o Dedinho, de disputar a prefeitura da cidade nas eleições de novembro deste ano. Ele está inelegível por ter sido  condenado por improbidade administrativa por prática de ato de corrupção, por tentativa de extorsão ao exigir pagamento de propina à empresa de Ônibus São Francisco de Nilópolis, juntamente com os vereadores Tuninho Carroceiro  e Wilsinho Bahia, todos réus no processo  Processo n.° 0000085-63.2006.8.19.0036. Condenados em primeira e segunda instâncias, eles tentaram recurso no Supremo Tribunal Federal que foi negado. O Processo agora já se encontra finalizado, com o status de TRANSITADO E JULGADO, o que faz de Dedinho um FICHA SUJA e, portanto, inelegível de acordo com a legislação eleitoral

TJERJ - consulta - Descrição-1.jpg
TJERJ - consulta - Descrição-2.jpg


O julgamento da ação em primeira instância ocorreu no ano de 2009 , quando o Juiz HINDENBURG BRASIL PINTO DA SILVA, sentenciou na ação movida pelo Ministério Público a condenação dos réus a pagamento de multas, proibição de contratação com serviço público e SUSPENSÃO DOS DIREITOS POLITICOS DOS RÉUS PELO PRAZO DE 4 ANOS. Ao embasar sua decisão ele disse na época “ Verifica-se que o Ministério Público aponta que os réus, em retaliação à negativa de apoio financeiro às suas campanhas políticas por parte da Viação Expresso São Francisco Ltda , enquanto ocupantes dos cargos de vereadores, determinaram, ilegalmente, a apreensão de veículos coletivos da referida pessoa jurídica. Expôs, ainda, que houve condenação dos réus na esfera criminal pelos mesmos fatos que ora lhes são imputados em sede de persecução civil. Posto isso, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO.
Depois da decisão judicial em 2009 o processo vem se arrastando postergado por diversos recursos impetrados pela defesa de Dedinho e outros vereadores, sendo sucessivamente derrotados, até que no  dia 16 de junho , o STF julgou improcedente o último recurso de DEDINHO para confirmar a sentença que condenou ele por Improbidade Administrativa por ato de corrupção. No dia 24 de Junho o STF expediu a certidão de transitado e julgado, não cabendo mais recursos e tornando os réus inelegíveis 

Dedinho-preso.jpg

Acusações de praticas de outros crimes

A condenação do pratica de extorsão que resultou  na iegiblidade de Dedinho, não é a única história nebulosa na vida politica do vereador que sonhava agora em se eleger prefeito de Nilópolis. Existem outras acusações e processos que podem render outras condenações.

Preso acusado por tentativa de homicidio

Em maio do ano passado, ‘Dedinho’ foi acusado de mandar matar o também vereador de Nilópolis e policial civil Roberto de Barros Batista, o Bentinho, por ser seu adversário político na cidade. A morte teria sido encomendada no valor de R$ 200 mil reais. Um dos homens contratados para fazer o serviço sujo supostamente a mando de  ‘Dedinho’ teria desistido de última hora e  revelou o plano . O então matado acabou  morto em seguida

Jornal Povo - Edição de Sexta-Feira 10 de Maio de 2019-1.jpg

Pratica de Nepotismo e favorecimento de parentes

Em abril deste ano, Dedinho se envolveu em um suposto esquema de nepotismo e favorecimento de parentes . A irmã dele, Márcia Inês Nunes de Oliveira, foi –aposentada na Câmara de Nilópolis, onde trabalhou  como agente administrativo. Ela recebe como aposentada uma remuneração de  R$ 15.990 reais por mês, valor muito acima de um aposentado no cargo, que ganha em média R$ 2.800 reais por mês. Na ocasião a Câmara de informou que Márcia já era servidora da Casa antes de seu irmão ser vereador na cidade, e que essas acusações são perseguições políticas, pelo fato de ‘Dedinho’ ser pré-candidato a prefeito.

Alvo do Tribunal de Contas por diversas irregularidades

Os técnicos do Tribunal de Contas do Estado (TCE) constataram irregularidades em 48 dos 91 parlamentos do Rio de Janeiro. As auditorias alcançaram R$ 33 milhões. Deste total, casos envolvendo R$ 18,7 milhões já foram levados, pelo menos, uma vez a sessão plenária.

O principal alvo é o presidente da Câmara de Nilópolis, Jorge Henrique da Costa Nunes, o Dedinho, do SD. Em 2015, o tribunal determinou que ele apresentasse documentação que comprovasse os gastos ou devolvesse o equivalente a R$ 7,6 milhões aos cofres públicos.

O advogado de Dedinho, Leonardo Moazer, afirmou que recorreu à Corte. “Não tenho dúvidas de que vamos alterar essa decisão administrativamente ou judicialmente. Pena que demore tanto”, lamentou Moazer. Segundo relatórios dos técnicos, de 2010 a 2014, a Câmara de Nilópolis gastou R$ 8,4 milhões com viagens de vereadores, sem comprovar os locais e os beneficiários. Só em 2012 foi o equivalente a R$ 1,6 milhão em diárias, o que representa 35,43% dos pagamentos relativos às despesas orçamentárias do parlamento naquele ano.

Os técnicos ressaltam ainda que a Câmara foi inundada, por coincidência, em 10 de novembro de 2014 sete dias depois de ser anunciada a investigação pelo TCE e documentos destruídos.

51265886_1975719685880780_5082638833225302016_n.jpg

Facebook Comments

Open chat
Anuncie AQUI! >>>
Olá!
Gostaria de anunciar sua marca aqui?
Powered by