Jornal Povo

Medida cautelar impede a União de excluir o Rio do Regime de Recuperação Fiscal

Rio – O Estado do Rio de Janeiro terá um ‘respiro’, ainda que temporário, para suas finanças. O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) entrou com uma representação, com pedido de medida cautelar, para que o governo federal não exclua o Rio do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) até que seja definido o rito para a renovação desse acordo.

O documento, ao qual a coluna teve acesso, é assinado pelo subprocurador-geral do Ministério Público de Contas, Lucas Rocha Furtado. E foi entregue nesta terça-feira (18 de agosto) ao ministro do TCU, José Múcio Monteiro.

Monteiro ainda vai analisar o pedido. Se o ministro acatar, o próprio TCU terá que dizer qual é o procedimento para a extensão do regime: se de forma automática (com prorrogação por mais três anos) ou com um novo processo burocrático, envolvendo técnicos do Ministério da Economia.

Furtado contextualiza o ambiente político acirrado entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o governador Wilson Witzel, e alega que o estado e sua população não podem ser penalizados por isso.

O subprocurador ressalta que o governo estadual “tenta prorrogar o regime fiscal até 2023 e projeta extensão por 10 anos”. No entanto, até agora, o Rio não teve um retorno.

“Socorre que essa indecisão tem provocado tamanha insegurança jurídica indo de encontro ao principal objetivo do regime, qual seja, o de promover o ajuste das contas e fortalecer a Lei de Responsabilidade Fiscal”, diz um trecho do documento.

Furtado argumenta ainda que uma eventual exclusão do Rio do regime fiscal acaba prejudicando as finanças da União, já que o estado não terá como pagar as dívidas que deixou de honrar nesse período do acordo (que se iniciou em setembro de 2017). O montante está supera R$ 50 bilhões.

“Se existe o risco da não renovação automática do RRF a ensejar possível penalidade, incumbe a esse Tribunal de Contas da União acompanhar o tema, visto, indiretamente, existir a possibilidade de dano ao erário pelo não cumprimento das metas do programa e diante do não pagamento de bilhões do Rio à União”, afirmou.

Pedido reforça argumento do Rio

Procurado pela coluna, o secretário de Fazenda, Guilherme Mercês, confirmou o conhecimento dessa representação. Para ele, as alegações feitas no documento corroboram todo o discurso que os integrantes do governo fluminense têm feito.

“O que motiva essa representação e a própria função institucional do TCU, que é zelar pelo erário da União, tendo em vista que com a exclusão arbitrária do Estado do Rio do regime o dano é para o próprio erário da União”, declarou Mercês.

“É por isso que digo que é o jogo de perde perde, perde o estado e perde a União, que fica sem instrumento para cobrar as dívidas do Rio”, acrescentou.

Fonte: O Dia

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.