Jornal Povo

Cabral e ex-primeira dama desviaram R$ 151 mi do Sistema S, dizem procuradores

O ex-governador Sérgio Cabral, a ex-mulher Adriana Ancelmo e o ex-presidente da Federação do Comércio (Fecomércio/RJ) Orlando Diniz são considerados peças importantes no esquema de corrupção investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) que desencadeou a operação desta quarta-feira (9). Os três faziam parte do “núcleo duro”, segundo os procuradores, e promoveram o desvio de pelo menos R$ 151 milhões, conforme a denúncia obtida pela CNN.

O grupo que comandava os esquemas ilegais se beneficiava de contratos firmados com escritórios de advocacia a pretexto de serviços jurídicos com o Sistema S fluminense, composto por Senac, Sesc e Fecomércio, de acordo com o processo. Segundo a investigação, os advogados contratados repassavam valores mensalmente aos membros do “núcleo duro”, que também contava com a atual advogada de Wilson Witzel, Ana Tereza Basilio.   

Delação é base da operação

A colaboração premiada de Orlando Diniz é usada como base para a operação do Ministério Público Federal (MPF) .A Operação batizada de E$quema S teve como objetivo cumprir 50 mandados de busca e apreensão e investiga um suposto esquema ilegal que desviou cerca de R$ 355 milhões dos cofres públicos do Rio de Janeiro entre 2012 e 2018. As diligências expedidas pelo juiz Marcelo Bretas foi realizada em endereços de pessoas, escritórios de advocacia e outras empresas investigadas no RJ, SP , Brasília e Bahia.

No total, 26 pessoas foram denunciadas, destas, nove são do RJ, incluindo o ex-governador Sérgio Cabral e a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo. Outro nome presente na denúncia é o de Orlando Diniz, ex-presidente da Federação do Comércio (Fecomércio/RJ). Os suspeitos foram denunciados pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A Polícia Federal apura supostos contratos irregulares das empresas financiadas com dinheiro público, como o Serviço Social do Comércio (Sesc RJ), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac RJ) e a Fecomércio/RJ, com escritórios de advocacia.

Em nota, a defesa de Sérgio Cabral informou que o ex-governador é colaborador da Justiça com acordo homologado pelo Supremo Tribunal Federal. Sobre esses fatos já prestou esclarecimentos à Polícia Federal e entregou provas de corroboração.

Fonte: CNN

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.