Jornal Povo

PMs são acusados de ajudar milicianos e roubar colega de farda na Baixada

Dois policiais militares preferiram ajudar milicianos a cometer crimes do que socorrer um colega de corporação que era vítima dos paramilitares. É o que revela uma investigação da Corregedoria da PM e do Ministério Público encaminhada à Justiça no início deste mês. De acordo com o Inquérito Policial Militar (IPM), o soldado Rafael de Figueiredo Bilônia e o sargento Alexandre Bittencourt de Azevedo, ao flagrarem uma abordagem de dois milicianos a um PM e seu amigo em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, não libertaram as vítimas e prenderam os criminosos: pelo contrário, os dois agentes, de serviço e fardados na ocasião, são acusados de ajudar os milicianos a roubarem seu colega de farda.

Juntos, policiais e paramilitares levaram das vítimas uma moto Yamaha modelo XT 660, uma televisão, um notebook, um smartphone, um relógio, um revólver calibre 38 e R$ 900. No último dia 26, a juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros decretou a prisão dos dois PMs, que respondem pelos crimes militares de roubo, concussão e corrupção passiva. Segundo a juíza, a liberdade dos agentes poderia intimidar testemunhas: “Uma vez em liberdade, poderão os acusados tomar providências no sentido de inviabilizar a repetição das provas em sede judicial”. O soldado Bilônia se entregou na última sexta-feira. O sargento Bittencourt, atualmente na reserva, está foragido.

Os crimes — denunciados à Corregedoria pelo PM vítima dos agentes — aconteceram na madrugada de 19 de outubro de 2017. Toda a trama é detalhada no relatório do IPM, publicado no boletim interno da corporação, e nas duas denúncias do MP contra os policiais. Na ocasião, Bilônia e Bittencourt, então lotados no 20º BPM (Mesquita), chegaram, numa viatura do batalhão, ao local onde as duas vítimas haviam sido abordadas pelos milicianos. Diante da situação, os agentes algemaram o PM e seu amigo e os colocaram dentro do veículo da polícia. A partir daí, PMs e milicianos — identificados como Daniel de Oliveira Araújo, o Nem 38, e Alexandra Oliveira, o Guaxa — passam a negociar a liberação dos dois detidos.

Sargento Alexandre Bittencourt está foragido
Sargento Alexandre Bittencourt está foragido Foto: Reprodução

Inicialmente, todos se dirigiram até a casa de um parentes do amigo do PM, onde policiais e milicianos fizeram buscas e encontraram um revólver calibre 38. De posse da arma, o sargento, o soldado e os dois paramilitares passaram a exigir R$ 20 mil das vítimas. Se o valor não fosse pago, o PM e o amigo seriam levados à delegacia.

O amigo do PM alegou que não tinha a quantia. O policial que era vítima da extorsão, então, entrou na negociação e ofereceu sua moto em troca da liberação. Mesmo após a entrega do veículo, os agentes não se deram por satisfeitos: foram a outra endereço do amigo do PM e roubaram, segundo a denúncia do MP, aparelhos eletroeletrônicos, um relógio e cerca de R$ 900.

GPS flagrou agentes

Em depoimento, os dois PMs negaram ter ido até a casa de uma das vítimas — onde o roubo teria acontecido. No entanto, os relatos foram desmentidos pelo GPS da viatura que os dois usavam naquela madrugada. Segundo relatório da Subsecretaria de Comando e Controle da PM, o carro “permaneceu no local de 05h01m até 05h32m” no dia dos crimes.

A investigação também concluiu que o PM que entregou sua moto aos colegas de farda para ser liberado tentou recuperar, de forma fraudulenta, o veículo. Em depoimento à Corregedoria, um homem que havia vendido o veículo ao agente afirmou “que fora persuadido a realizar uma falsa comunicação de crime informado que a moto teria sido roubada”. O registro foi feito na 31ª DP (Ricardo de Albuquerque). Atualmente, os três PMs — acusados e vítima — respondem a Conselho de Disciplina e podem ser expulsos da corporação.

Fonte: Jornal Extra

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.