Jornal Povo

MP pede indenização de R$ 6 milhões de Flávio Bolsonaro em caso de condenação por ‘rachadinha’

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) pediu à Justiça que Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) perca o mandato de senador caso seja condenado pelos crimes de organização ciminosa, peculato, lavagem de dinheiro e apropriação indébita no escândalo da “rachadinha” em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Segundo o “G1”, o MP também cobra indenização de R$ 6 milhões aos cofres públicos pelos supostos danos causados por Flávio, Fabrício Queiroz e Miguel Ângelo Braga Grillo, atual chefe de gabinete do senador.

O MP pede ainda que seja decretada perda de bens, direitos e valores relacionados direta ou indiretamente à prática de crimes atribuídos aos acusados. Entre os bens citados pelos promotores está um apartamento localizado na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e que pertenceria ao filho do presidente Jair Bolsonaro.

Ainda segundo o “G1”, os promotores acusam Miguel Ângelo Braga Grillo de ter uma “atuação determinante” no chamado núcleo operacional do esquema das “rachadinhas”. Atualmente ele recebe um salário de R$22,9 mil no gabinete de Flávio no Senado.

De acordo com a denúncia, Braga Grillo era, desde maio de 2007, responsável por dar “falsamente a frequência integral dos assessores componentes da organização criminosa vinculados diretamente ao gabinete, a fim de possibilitar a liberação dos pagamentos dos salários, mesmo sem a contraprestação dos serviços públicos pelos ‘funcionários fantasmas’”

A denúncia foi oferecida no dia 19 de outubro, informação tornada pública pelo MP do Rio no início da madrugada da última quarta-feira. Flávio é apontado como líder da organização criminosa e seu ex-assessor Fabrício Queiroz como o operador do esquema de corrupção que funcionava no gabinete do senador.

Ex-assessora confessa esquema

A investigação do MP-RJ teve início em julho de 2018, depois que um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou a movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz. No documento, foi apontado que oito assessores de Flávio faziam repasses para Queiroz e também ali já estavam assinaladas transferências e depósitos de Márcia Aguiar, Nathália e Evelyn Queiroz, mulher e filhas do subtenente.

Em depoimento ao MP, Luiza Sousa Paes, ex-assessora do antigo gabinete de Flávio na Alerj, admitiu que nunca atuou como funcionária do então deputado estadual e que era obrigada a devolver mais de 90% do salário. É a primeira vez que um ex-assessor admite o esquema ilegal no gabinete do parlamentar.

O MP pede ainda que, caso condenados, os denunciados sejam impedidos de exercer cargos públicos pelo prazo de oito anos. Também requer a manutenção da prisão de Queiroz e sua esposa Márcia.

Fonte: Jornal Extra

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.