Jornal Povo

Sinal vermelho: rede pública do Rio tem 15% de seus 639 leitos de UTI para Covid-19 fechados

A fila não anda, a conta não fecha e o drama de cada dia aumenta. Enquanto a cidade do Rio de Janeiro vê a procura por leitos de UTI Covid aumentar, com a volta da disputa por vagas, a rede SUS na capital tinha nesta quarta-feira 15% de seus 639 leitos de terapia intensiva exclusivos para a doença (que inclui unidades municipais, estaduais e federais) fechados. O termo técnico usado para definir a condição é: leito “impedido”. Os principais gargalos estão na esfera da União, no Hospital Clementino Fraga, que é administrado pela UFRJ, e no Hospital Geral de Bonsucesso, que pegou fogo no mês passado. O primeiro tem 48 leitos fechados, o segundo, 30.

Até esta quarta-feira à noite, a taxa de ocupação de UTI Covid na rede pública do Rio era de 90%, e 84 pessoas aguardavam por uma transferência. Havia, no entanto, 56 vagas disponíveis. Ou seja: uma fila de 28 pacientes. Em todo o Estado do Rio, 115 pessoas esperavam por um leito. A realidade de uma provável segunda onda da doença na cidade vem se impondo aos poucos: desde o o dia 31 de maio, não se tinha registro de filas, situação que começou a mudar na última terça-feira.

A cruel espera não é o único indicativo. Nesta quarta-feira, a média móvel chegou ao nono dia de alta, com uma subida de 36% no número de casos (3.162) e de 132% no de mortes (115), com tendência de aumento na taxa de contágio da doença. Ao todo, já são 343.995 infectados e 22.256 mortes em todo o território fluminense desde o início da pandemia, em março. A análise dos dados foi feita a partir do levantamento do consórcio de veículos de imprensa.

Mesmo diante desse quadro, o prefeito Marcelo Crivella descartou a possibilidade de lock-down e assegurou que a rede municipal tem capacidade para absorver pacientes da capital e dos municípios da Baixada Fluminense. Segundo ele, o governo estadual ajudará no custeio de profissionais e medicamentos para que leitos existentes entrem em funcionamento. A previsão é habilitar 415 vagas, sendo 123 de UTI, mas ainda não há data prevista.

Hospital de Bonsucesso: após incêndio, as 30 vagas para infectados com o coronavírus foram desativadas
Hospital de Bonsucesso: após incêndio, as 30 vagas para infectados com o coronavírus foram desativadas Foto: Fabiano Rocha

Dos leitos impedidos, 72 estão parados por problemas estruturais — seja por questões elétricas, escassez de insumos e equipamentos ou realização de obras. A falta de pessoal também tem seu quinhão nessa conta: há 25 vagas de terapia intensiva sem funcionar pois não há profissionais de saúde, sejam médicos (19), técnicos de enfermagem (5) ou enfermeiros (1).

A administração do Clementino Fraga explica que a redução de leitos se deu por conta do fim de contratos com profissionais de saúde e atribui à prefeitura do Rio parte do problema. O município nega. Já o Hospital de Bonsucesso está com alas fechadas desde o incêndio que atingiu um de seus prédios, no fim de outubro. No Fundão, 25 vagas serão reabertas.

Além dos dois hospitais, também há leitos fechados na Fiocruz e no Hospital Federal dos Servidores. A Fiocruz afirmou que a situação é momentânea e novas contratações de médicos e plantonistas e devem acontecer na próxima semana. O Ministério da Saúde não respondeu até o fechamento dessa reportagem.

Nas unidades estaduais, o mesmo acontece no Hospital de Anchieta e no Instituto Estadual de Infectologia São Sebastião. O governo do estado afirmou que busca reabrir mais leitos para o atendimento.

Para especialistas, a situação já está em estado crítico.

— O anúncio (da abertura de leitos) foi tardio, pois já era um quadro esperado. Podemos viver uma nova tragédia anunciada e que foi alertada antes. Não aprendemos a nos organizar e estamos em uma situação perigosa e de um possível colapso na rede — avalia Gulnar Azevedo, presidente da Abrasco e professora do Instituto de Medicina Social (IMS/Uerj).

Nos últimos meses, o Rio vem sofrendo um desmonte da estrutura do combate a Covid-19. Em maio, a cidade do Rio tinha 2.564 leitos de UTI para a doença. Hoje, são 1.253, numa redução principalmente por causa da desativação de hospitais de campanha do estado e de alas especiais em outras unidades.

Estoque zerado

Outro agravante é a falta de medicamentos. O Jornal Povo teve acesso a uma planilha com 46 remédios que estão em falta no estoque central da prefeitura do Rio.

Entre eles há insumos básicos, como dipirona e paracetamol. Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde não respondeu os questionamentos. Nesta quarta-feira, o prefeito admitiu que há falta de pessoal e insumos para abrir novos leitos.

Nesta quarta à noite, as duas unidades de referência para a Covid-19 administrada pela prefeitura estavam lotadas. Mesmo assim, o hospital de campanha do Riocentro funciona longe de sua capacidade máxima.

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.