Jornal Povo

Porta-voz da PM exonerada após ataque a repórter de EXTRA e O Globo assume batalhão do Leblon

A tenente-coronel Gabryela Dantas, exonerada nesta quarta-feira, dia 9, do cargo de coordenadora de comunicação da Polícia Militar do Rio, vai assumir o comando do 23º BPM (Leblon). A movimentação foi publicada no Boletim da PM da noite desta quarta-feira. A oficial foi transferida após ataques pessoais ao repórter Rafael Soares, do EXTRA e O Globo, num vídeo publicado em rede social da corporação nesta terça-feira, dia 8. O batalhão que passa a ser comandado pela tenente-coronel Gabryela é responsável pelo policiamento de bairros da Zona Sul do Rio como Leblon, Ipanema, Gávea e Jardim Botânico. Para o cargo de coordenador de comunicação da PM, o comando da corporação nomeou o major Ivan Blaz.

O ataque da então porta-voz ao repórter ocorreu após a publicação de uma reportagem sobre o aumento do número de descarte de munição usada por policiais do 15º BPM (Caxias). A oficial afirmava, no vídeo, que o jornalista agiu de “forma maldosa” e que se aproveitou “da comoção nacional (uma referência à morte de duas meninas em Caxias, por bala perdida) para colocar a população contra a Polícia Militar”.

O vídeo foi apagado na tarde desta quarta-feira pelo perfil oficial da PM. Em nota, a Editora Globo, que publica os dois jornais, repudiou o vídeo em que a porta-voz classifica o jornalista como inimigo da corporação e ainda incentiva a população a divulgar a gravação. Afirma que “faz parte da prática jornalística diária lidar com críticas, contestações e pedidos de reparação de alguma informação”. Acrescentou, no entanto, que “não é papel de uma instituição de Estado atacar pessoalmente um profissional nem incitar a população contra ele”.

‘Linchamento virtual’, diz Abraji em nota

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) repudiou o vídeo. “Incitar a população contra o jornalista mostra não só falta de respeito à liberdade de imprensa, mas claro objetivo de intimidar o repórter”. A Abraji também questionou afirmações feitas pela tenente-coronel no vídeo, e relatou um “linchamento virtual” ao repórter nesta quarta-feira:

“Nos últimos segundos do vídeo, a tenente-coronel dá a entender que o trabalho do repórter – que “ao longo dos anos” teria tentado rotular as tropas da corporação – poderia ter evitado a morte do cabo Derinaldo Cardoso dos Santos, baleado em Mesquita, também na Baixada Fluminense. Mas a oficial não detalha como o trabalho crítico da imprensa poderia interferir na morte de policiais durante um assalto.

A convocação para divulgar de forma massiva o vídeo teve efeito imediato. Em menos de uma hora, Rafael Soares foi obrigado a fechar suas redes sociais devido a centenas de notificações de ofensas, inclusive pedindo a prisão dele.

Investigação sobre a morte das primas na Baixada

Policiais do 15º BPM são investigados pelas mortes das meninas Emilly, de 4 anos; e Rebecca Santos, de 7, atingidas por um tiro de fuzil quando brincavam na porta de casa, na última sexta-feira, em Caxias. A PM nega que os cinco policiais que estavam de plantão no dia do crime tenham feito disparos, mas os fuzis e as pistolas que eles usavam foram apreendidos e enviados para perícia.

Fonte: Jornal Extra

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.