Jornal Povo

“Vamos investir na própria Nuclep a partir de 2022”, diz presidente Carlos Seixas

ITAGUAÍ – Uma empresa que, na crise, se reinventa: assim é a Nuclep, segundo o homem que a preside desde 2017 e que acaba de ser eleito, pelo Grupo Mídia / Full Energy do Brasil, um dos 100 mais influentes da década no setor energético brasileiro. É uma espécie de “Oscar da Energia”, em que os vencedores são eleitos por um site e por pesquisa com as pessoas mais importantes da área. O Almirante Carlos Henrique Silva Seixas usa da modéstia ao dizer que o prêmio é da Nuclep, e não dele. Os desafios da sua gestão vão sendo superados lentamente, como é próprio do setor nuclear brasileiro – que começou na década de 1980 – e a difícil meta é depender financeiramente menos de aportes do governo federal, o que ele prevê que será possível em meados de 2023.

Mesmo operando no vermelho há muito tempo, a Nuclep, fundada em 1975, continua a ser uma das importantes indústrias de material pesado no Rio de Janeiro e no Brasil, não só por sua função estratégica no setor de defesa, energia nuclear e óleo & gás, mas também por sua função de qualificação de mão de obra especializada.

Mais recentemente, a empresa decidiu investir na produção de torres de energia para obter a tão sonhada autossuficiência econômica. Hoje a Nuclep conta com cerca de 1,3 mil funcionários (780 deles efetivos) e desde o ano passado tem sido alvo de especulações sobre a sua privatização – algo sobre o qual o Almirante e presidente não é exatamente contra, mas só é favor mediante determinada condição que ele conta nesta entrevista.

Além da novidade ao inserir-se no mercado das torres de transmissão, a atuação da estatal tem sido no atendimento às usinas de Angra (por isso instalar-se em Itaguaí foi importante, para ter acesso facilitado pela Rio-Santos), à Petrobrás e à Marinha, com quem colabora na empreitada inédita de construir um submarino de propulsão nuclear (não somente um, revela o Almirante).

Seixas é oficial General da Reserva da Marinha do Brasil promovido à Contra-Almirante em 2010. Ele é Mestre e Doutor em Ciências Navais, especializado em Histórias das Relações Internacionais. Em sua carreira na Marinha do Brasil esteve a trabalho no Chile, Portugal e EUA. Em julho de 2016, chegou à Nuclep como diretor administrativo da empresa e acumulou a Presidência interinamente em abril de 2017, depois a assumiu de forma efetiva. Está no seu penúltimo mandato possível, segundo as normas da estatal.

Ele respondeu a perguntas sobre os desafios da Nuclep, sua escolha como personalidade influente no setor, relações com os governos municipais e como surgiu a ideia de diversificar sua produção para diminuir a dependência financeira do governo federal.

Que tal ser um dos 100 mais influentes da Década na Energia? No que consiste sua influência?
SEIXAS: Fiquei muito contente com a indicação, mas não como uma conquista pessoal, e sim pela Nuclep, que é muito importante para a Marinha. A influência não está na pessoa do presidente, mas na companhia dentro do segmento nuclear. Não faço nada sozinho. Como sou da Marinha, o hábito é trabalhar sempre em equipe, por isso divido esse prêmio com a companhia e com os funcionários.

Já tinha atuado antes no setor?
SEIXAS – Entrei na Nuclep em 2016 como diretor administrativo e em 2017 assumi a presidência. O setor nuclear para mim era novo, mas o fundamental para a minha indicação foi o fato de que na minha carreira na Marinha tive um cargo similar ao que tenho hoje na Nuclep: fui comandante da base Naval do Rio de Janeiro. A base fazia reparos em navios, então eu já tinha experiência na construção e reparos industriais. Isso certamente me ajudou na função.

O Almirante da Reserva e presidente da Nuclep, logo depois de uma reunião: investir em novos produtos é o caminho para o sucesso da estatal criada no final da década de 1970 - Divulgação - Nuclep
O Almirante da Reserva e presidente da Nuclep, logo depois de uma reunião: investir em novos produtos é o caminho para o sucesso da estatal criada no final da década de 1970Divulgação – Nuclep

Em que condições encontrou a Nuclep e quais foram as mais recentes transformações da empresa durante a sua gestão?
SEIXAS – Em 2016, a empresa tinha pouco serviço: estava apenas terminando as últimas seções do último submarino. Não tinha mais nada de produto. Investimos no sentido de finalizar alguns equipamentos para a Usina Nuclear de Angra III. Passamos a atuar também junto à Petrobrás e, mais recentemente, no setor elétrico, com a construção de torres de transmissão de energia. Houve uma diversificação, tentamos atuar em outros mercados. Algumas vezes não obtivemos sucesso, mas as demais evoluíram bem e os prognósticos são bons.

Qual é a importância da Nuclep para o setor nuclear e energético no RJ e no Brasil?
SEIXAS: A Nuclep é uma empresa estratégica de defesa, importante por atuar junto às usinas nucleares e à Marinha. Ela está em Itaguaí não por acaso: está perto da Rio-Santos para ter acesso rápido à Angra e na cidade há, também, uma Base da Marinha. A Nuclep é a empresa que constrói equipamentos e colabora com a manutenção deles nas usinas nucleares de Angra, e isso é muito importante. Começamos a atuar no setor energético na construção de torres de transmissão e, com isso, a intenção é participar cada vez desse mercado. Hoje no Brasil não há empresa privada capaz de atuar no setor nuclear como a Nuclep atua. O segmento é muito oneroso, com baixa lucratividade, investe muito para obter as certificações exclusivas que permitem atuar no setor, e por essa razão a Nuclep é muito importante por ser estratégica e por ser a única com determinadas competências industriais.

Em um período de tantas dificuldades e de retração na indústria nacional, a Nuclep conseguiu se manter bem durante a crise?
SEIXAS: Não tem sido fácil. O setor sofreu uma grande regressão. Estamos tendo dificuldades, por exemplo, em obter insumos. O mercado está em escassez. Estamos passando, sim, um momento complicado, mas com a diversificação da carteira e de clientes, temos conseguido nos manter. Por exemplo: estamos construindo o Bloco 40, que vai sustentar o propulsor nuclear do submarino que está sendo desenvolvido pelo Brasil. A Nuclep construiu o vaso do reator. Vamos entregar tudo até 2023. O investimento em produção de torres de energia também vai gerar bastante lucro com contratos que vamos celebrar em breve com mais clientes.

Fachada da Nuclep: com cerca de 1,3 mil funcionários, ideia de privatização pode não ser exatamente ruim, diz Seixas - Divulgação - Nuclep
Fachada da Nuclep: com cerca de 1,3 mil funcionários, ideia de privatização pode não ser exatamente ruim, diz SeixasDivulgação – Nuclep

Por que a decisão de fazer da Nuclep uma empresa que produz torres de transmissão de energia?
SEIXAS: A Nuclep foi construída dentro da realidade do mercado nuclear brasileiro, um setor conhecido por ser muito moroso e de pouco investimento. Era necessário faturar mais e diminuir a dependência do orçamento da União. A Nuclep não tinha um “item de prateleira”, algo que vendesse continuamente, para isso acontecer. Em 2019, assisti uma palestra em que o Almirante Bento, que tinha sido designado Ministro das Minas e Energia, disse que seriam instalados 55 mil quilômetros de linhas de extensão no Brasil. Foi dali que surgiu a ideia. Estamos entrando para suprir uma demanda. As empresas que já atuavam no mercado não conseguem supri-la. Não se trata de tomar o lugar de alguma empresa, disputar espaço, e sim de ser mais uma opção em um mercado que não produz o suficiente para suprir a demanda, o que faz toda a diferença nesse caso. Já estamos produzindo, e temos condição de produzir 2,6 mil toneladas por mês. A meta é chegar, daqui a três meses, a produzir 3,5 mil toneladas mês.

Como tem sido a relação da Nuclep com os governos municipais em Itaguaí, e de que modo a empresa se faz importante na cidade?
SEIXAS: Temos um bom relacionamento com os governos em geral. Não havia proximidade com o prefeito anterior [Carlo Busatto, o Charlinho]. Com o prefeito [Rubem Vieira] atual temos uma boa relação. Não tive contato ainda com o atual governador. Uma comitiva com o vice-prefeito [Valter de Almeida] está marcada para fazer uma visita amanhã [2 de março]. A Nuclep é importante também em função da empregabilidade do entorno, além da qualificação, pois preparamos vários profissionais em cursos com parceria com a Faetec [Fundação de Apoio à Escola Técnica] e com o Senai, por exemplo.

Como a Nuclep tem encarado a ideia de ser privatizada? O senhor é a favor da privatização?
SEIXAS: Depende do modelo de privatização. Sou favorável à privatização associada com uma companhia que possa investir. A Nuclep precisa da modernização de alguns equipamentos importantes, mas essa modernização tem custo. Como o governo federal não tem tido recursos e não vejo um horizonte em que se tenha dinheiro para isso, uma parceria seria interessante nesse sentido. A depender do modelo pode ser bacana para a Nuclep, sim. Não sou contra, o modelo pode ser positivo, mas o BNDES é que vai propor, e pode ser bom.

Quais são as dificuldades que a Nuclep ainda precisa superar e quais são os próximos planos para a empresa?
SEIXAS: A curto e médio prazo é se consolidar no segmento de torres de transmissão. Se tudo der certo, conseguiremos começar a faturar para investir na própria empresa a partir de 2022 e 2023. Hoje trabalhamos no vermelho, e esse é o principal problema da Nuclep. Não tínhamos mercado. Mas a nossa expectativa agora é que em 2022 consigamos zerar as dívidas, e depender cada vez menos do governo federal.

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.