Jornal Povo

Depoimento de Bolsonaro é 'insuficiente' e não o livra do crime de peculato, avaliam investigadores

Joias e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/TV Globo | REUTERS/Evelyn Hockstein)

De acordo com os investigadores, a fase de coleta de provas
está quase encerrada e o inquérito poderá ser concluído antes mesmo da chegada
de um laudo sobre as joias.

De acordo com investigadores da Polícia Federal (PF), é provável que Jair Bolsonaro (PL) seja indiciado por peculato no caso das joias avaliadas em R$ 16,5 milhões, apreendidas pela Receita Federal e que assessores do ex-ocupante do Palácio do Planalto tentaram recuperar pouco antes de sua fuga para os Estados Unidos.

Segundo informações da jornalista Andréia Sadi, em seu blog no G1, os “investigadores consideraram o depoimento de Bolsonaro e dos outros 8 depoentes positivos, mas insuficiente para mudar o entendimento de que houve crime no episódio”, destaca trecho da reportagem.

O peculato acontece quando um funcionário público desvia ou se apropria de um bem a que ele tem acesso em decorrência de seu cargo, mediante abuso de confiança.

 

Ainda de acordo com a reportagem, os investigadores confirmam que a coleta de provas está quase concluída e que o inquérito poderá ser finalizado antes da chegada do laudo sobre as joias, com a possibilidade deste ser adicionado posteriormente.