Jornal Povo

Motoristas de aplicativo fazem protesto por melhor remuneração pelas corridas

Motoristas de aplicativo fazem protesto no Rio de Janeiro — Foto: Reprodução

Motoristas de aplicativo iniciaram nesta segunda-feira (15) um protesto no Rio de Janeiro por melhorias na remuneração pelas corridas. Em pelo menos outras cinto cidades, foram registrados protestos ou paralisações. (leia abaixo sobre os protestos no país)

Condutores saíram em carreata do Aeroporto Santos Dumont com destino ao escritório da Uber, na Avenida Presidente Vargas, no Centro.

A classe reivindica que o motorista embolse pelo menos R$ 10 para cada corrida aceita e que, para cada quilômetro rodado, o profissional ganhe R$ 2.

Luiz Carlos Correia de Albuquerque, presidente do Sindmobi — sindicato que representa esses profissionais —, afirmou que em muitas corridas o motorista não recebe nem sequer a metade do que o passageiro paga. “As empresas têm descontado até 60% das corridas. Já não aguentamos mais”, disse.

“Essa manifestação vai continuar, não vai parar por aqui. Colamos adesivos em vários carros e estamos fazendo uma conscientização com os motoristas para não aceitarem corridas inferiores a R$ 10”, emendou.

Abel de Oliveira Moreira reclamou que os valores pagos à classe não são corrigidos. “Tudo aumenta, até a vida do motorista, e a Uber continua abaixando. A gente quer só o que é justo.”

Denis Moura pediu “uma tarifa mais justa”. “A gente não aguenta mais essa condição oprimida de ter uma tarifa mínima que custa o valor de um litro de gasolina. O motorista de aplicativo passa muita dificuldade financeira. Desde que entraram no Brasil, essas empresas nunca deram reajuste para o motorista. Só aumentaram para o passageiro”, detalhou.

O que dizem as plataformas

Uber

Seguem os esclarecimentos a respeito da taxa de intermediação da Uber:

  1. A taxa de serviço cobrada dos motoristas parceiros pela intermediação de viagens deixou de ser um percentual fixo em 2018, quando a Uber aprimorou seu modelo para equilibrar as variações entre o preço pago pelo usuário e os ganhos do parceiro.
  2. Em qualquer viagem, o motorista parceiro sempre fica com a maior parte do que é pago pelo usuário. Como a taxa é variável, existe uma oscilação natural para cima e para baixo porque em algumas viagens o percentual pode ser maior enquanto, em outras, pode ser menor.
  3. Um motorista parceiro ativo realiza dezenas ou centenas de viagens na semana, por isso a taxa média é mais representativa de quanto ele está pagando pela intermediação. Essa informação é destacada no compilado semanal enviado por e-mail aos parceiros: nas redes sociais, é possível encontrar parceiros que divulgam esses e-mails pessoais e exibem taxas médias inferiores a 5% e até mesmo 2%, por exemplo.
  4. Nesta semana, a Uber anunciou que vai aumentar mais um nível na transparência e passar a exibir, em todos os recibos de viagens feitas pelo motorista, qual foi a taxa média considerando todas as viagens feitas nas quatro semanas anteriores.

A média global da taxa de intermediação no quarto trimestre de 2022 ficou abaixo de 20%. Parte do que pode parecer ser apenas receita para a Uber vai diretamente para cobrir custos como o seguro oferecido em todas as viagens, custos bancários para o processamento dos pagamentos, e investimentos em suporte e desenvolvimento de tecnologia.

Protestos pelo Brasil

Houve mobilização em pelo menos outras cinco cidades brasileiras até 11h.

Piauí

Em Teresina, no Piauí, motoristas fizeram bloqueios parciais em algumas avenidas.

Ceará

Motoristas de aplicativos protestam nas imediações do Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza — Foto: DAVI ROCHA/PERA PHOTO PRESS

Motoristas de aplicativos protestam nas imediações do Centro de Eventos do Ceará, no bairro Edson Queiroz, em Fortaleza (CE). Os trabalhadores reivindicam questões como o aumento das tarifas, a isenção do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) para os motoristas e mais segurança para a categoria. O protesto deve ocorrer das 8 horas até 19 horas, segundo o Sindicato dos motoristas de transporte particular de passageiros por aplicativo e plataformas digitais de Fortaleza e Região Metropolitana (Sindaplic).

Paraná

Em Curitiba (PR) condutores se concentraram no Parque São José, em São José dos Pinhais. A previsão era de que uma carreata passasse pelo Aeroporto Afonso Pena e pela Assembleia Legislativa do Paraná.

Motoristas de Uber fazem ato no Parque São José, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba — Foto: Reprodução

Mato Grosso do Sul

A manifestação não seguirá um modelo padrão, mas todos os trabalhadores devem aderir de alguma forma, disse Paulo Pinheiro, presidente da Associação de Parceiros de Aplicativos de Transportes de Passageiros e Motoristas Autônomos de Mato Grosso do Sul (Applic-MS) . “O pessoal está fazendo a paralisação da maneira que acha conveniente, de uma forma que acredita que vai atingir as plataformas. Uns não saíram de casa, outros estão andando devagar e com o app desligado, outros estão parados pelas ruas. A ideia é que as plataformas sintam reflexos”, explicou Paulo.