Jornal Povo

Nuremberg

Crise na política em Belford Roxo: A Batalha Chega ao Judiciário

Fábio Varandão e Luiz Eduardo, conseguem Mandado de Segurança para garantir suas exonerações e retorno a câmara, após sessão conturbada

Câmara municipal da Cidade de Belford Roxo - RJ

Nos corredores da política municipal de Belford Roxo, o prefeito Waguinho enfrenta uma crescente oposição na Câmara de Vereadores. Com 13 vereadores declarados na oposição, o prefeito tem visto seu poder enfraquecer, e recentemente, uma controvérsia envolvendo a publicação das exonerações dos vereadores Fábio Varandão e Luiz Eduardo, que também ocupavam cargos de secretários, aprofundou ainda mais as tensões na cidade. Eles recorreram à justiça para retornarem a câmara de vereadores.

Fabio era secretário municipal de Ciência e Tecnologia, e Luiz de Energia Sustentável. Eles relatam ter pedido suas exonerações no dia 22 de setembro. Os vereadores, que faziam parte da base de apoio do prefeito, solicitaram suas exonerações de seus cargos na administração municipal, no entanto alegam que as devidas publicações oficiais não foram realizadas.

Os vereadores e Luiz Eduardo e Fábio Varandão falaram ao JORNAL POVO sobre o mandado de
segurança no Tribunal de Justiça que determina que eles voltem a Câmara e que sejam imediatamente exonerados de suas funções de secretários, e também sobre a atitude do prefeito.

“Conseguimos por meio da justiça que sejamos exonerados dos nossos cargos e voltemos para a Câmara de Vereadores. A população de Belford Roxo tem visto na prática como a cidade tem caminhado com o atual prefeito a frente dela. Precisamos ser a voz do povo para mudar isso”, disse Eduardo.

“Desde o dia 22 de setembro já era para termos saído dos cargos de secretário. Foi preciso pedir na justiça para conseguir deixar o cargo. Somos servidores da população com livre direito de atuarmos aonde bem entendermos”, disse Fábio Varandão.

O advogado Cassius Valério, que esteve à frente do processo dos vereadores, diz também falou sobre o caso.

“A decisão liminar da juíza da I Vara Cível, restabelece o Estado democrático de Direito. Não é aceitável que vereadores eleitos pelo voto popular sejam impedidos de reassumir seus mandatos por manobras que ferem o Princípio da Independência e harmonia dos poderes”, disse.

Um Cenário de Grupo Independente crescente

A atual configuração da Câmara de Vereadores de Belford Roxo reflete um cenário político marcado por um bloco independente significativo ao prefeito Waguinho. Dos 25 vereadores que compõem o legislativo municipal, 13 já declararam que fazem parte desse bloco independente à gestão do prefeito. Isso cria um ambiente desafiador para a aprovação de propostas e projetos de lei vindos do executivo, uma vez que a oposição tem força suficiente para bloquear iniciativas consideradas controversas ou desfavoráveis aos seus interesses.

Clima de tensão

O ambiente político de Belford Roxo não anda muito bem desde a semana passada. A Câmara de Vereadores foi palco de uma confusão generalizada, com direito a agressão física entre vereadores e apoiadores, arma no plenário, terminando na delegacia de polícia.

VÍDEO: Vereadores saem no soco durante sessão na Câmara, no RJ | ND Mais

De um lado, o prefeito Waguinho (Republicanos) e seus aliados. Na oposição, quem dá as cartas é o deputado estadual Márcio Canella (União Brasil), que nos últimos dias passou a ter maioria no legislativo municipal. Os dois grupos já estão de olho na eleição para prefeito de Belford Roxo, em 2024, refletindo a polarização nacional das eleições 2022, em que o sucessor do prefeito Waguinho, aliado de Lula, enfrentará o deputado estadual Márcio Canella, que apoiou o Jair Bolsonaro.

O espaço está aberto para as partes se manifestarem.