Jornal Povo

Influências africanas ilustram painéis artísticos que integram monumento que será inaugurado em São Luís

Oito artistas maranhenses negros elaboram painéis que irão compor o Monumento à Diáspora Africana no Maranhão, que resgatará o enraizamento cultural deixado na culinária, na fé, na dança, nos ofícios e nos modos de fazer

A Praça das Mercês abrigará o Monumento à Diáspora Africana, que busca visibilizar a contribuição do povo negro para a cultura e a identidade do Maranhão. No dia 30 de novembro, no mês da Consciência Negra, um grande evento marcará a inauguração deste importante Monumento, que contará com a presença de grupos culturais, religiosos e convidados, além do show do nigeriano nativo do povo yorubá Ídòwú Akínrúlí, que se apresentará com artistas locais. Toda a programação é aberta ao público e começa a partir das 17h30.

O projeto que cria o Monumento e requalifica a Praça das Mercês tem patrocínio do Instituto Cultural Vale, via Lei Federal de Incentivo à Cultura, e realização da Prefeitura de São Luís, por meio da Fundação Municipal do Patrimônio Histórico (Fumph). Para a construção de todo o trabalho, uma uma comissão foi criada composta de pessoas envolvidas nos movimentos negros e por estudiosos especializados nos temas relacionados ao monumento.

O Monumento à Diáspora Africana é composto de oito painéis

O Monumento à Diáspora Africana é composto de oito painéis, 6m x 4,80, que estão sendo produzidos por artistas negros maranhenses que vêm se destacando nacionalmente no campo das artes visuais. Além desses, outro painel, em granito negro com 45 metros de comprimento, terá informações sobre as datas, os nomes dos portos de embarque, os nomes dos navios e a quantidade de africanos de diversas nações desembarcados no Maranhão entre os anos de 1693 a 1841.

Em cada paínel os artistas trabalharam a partir de um tema, que se relaciona diretamente com o protagonismo do povo negro, suas contribuiçoes formadas a partir do seu processo de (re) adaptação nos territórios onde vivem e/ou atuam. A diversidade de técnicas utilizadas e o potencial de comunicabilidade da arte produzida serão atrativos que se destacarão.

Os temas abordados nos oito painéis foram trabalhados pela equipe da Fumph e pela comissão, são: Baobá: origens diaspóricas; Matrizes Africanas: religiosidades;

 

SERVIÇO
O que – Monumento à Diáspora Africana no Maranhão
Onde – Praça das Mercês (Desterro/ Portinho)
Quando – Dia 30 de novembro a partir das 17:30h (Entrega)