Jornal Povo

Hoje é tudo ou nada para Fluminense e Vasco. Times jogam pela permanência na Série A e pela sobrevivência financeira

Caso Fluminense e Vasco não façam seu papel contra, respectivamente, América-MG e Ceará, às 17h, no Maracanã e em Fortaleza, terão que suportar muito mais do que as gozações dos rivais. Com a mudança nas regras que regem o contrato de televisionamento do Brasileiro, seus já combalidos cofres sofrerão um golpe para o qual não estão preparados.

Ao contrário do que ocorria até este ano, em 2019 a chamada “cláusula paraquedas” vai deixar de existir. Ou seja: os clubes habituados a frequentar a Série A receberão, na segunda divisão, a mesma quantia que os demais participantes da B.

Comparado ao que estão acostumados a embolsar, a redução será abrupta. Na próxima temporada, os integrantes da Série B receberão R$ 7 milhões pela transmissão dos jogos. O risco de não voltar logo em seguida nunca foi tão grande. Por isso, não é exagero dizer que tricolores e cruz-maltinos farão o jogo de suas vidas hoje à tarde.

A diferença no que será pago aos dois se deve à parte da cota de TV referente à transmissão no formato pay-per-view (exclusivo para a Série A), que se baseia em uma pesquisa de torcidas para dividir o bolo de R$ 650 milhões de acordo com seus respectivos tamanhos.

Nos pontos corridos, o Vasco acumula três rebaixamentos. Mas sempre disputou a Série B com uma cota de TV de membro da elite. Em 2016, último ano em que o clube de São Januário participou da divisão de acesso, a transmissão dos jogos lhe rendeu R$ 104 milhões. Já seus concorrentes contaram com uma quantia bem mais modesta: R$ 5 milhões. Esta diferença sempre foi alvo de críticas em torno do desequilíbrio que promove.

— Até agora, havia uma diferença abissal. A disparidade na folha do futebol fazia a volta ser praticamente automática — admite Adriano Dias Mendes, vice de controladoria do Vasco, preocupado com o novo contexto. — O formato desse novo contrato permite que os clubes ganhem mais, mas o risco do é maior. Nesse momento é um gerenciamento fica bem mais difícil, mas o planejamento não foi voltado para qualquer rebaixamento.

Mesmo com toda esta vantagem financeira, os clubes grandes que caem têm mostrando cada vez menos força na briga pelo acesso. O próprio Vasco é um exemplo. Em 2009, foi o campeão da Série B. Mas, em 2014 e 2016, subiu como terceiro colocado. No ano passado, o Inter-RS oscilou e foi vice para o América-MG. A partir do ano que vem, dentro desta nova realidade, a dificuldade dos grandes tende a aumentar.

 

Finanças dependentes da TV

O sofrimento, claro, não vai se limitar ao desempenho em campo. A cota de TV responde pela maior fatia no orçamento dos clubes. No balanço de 2017 do Vasco, correspondeu a 50,4% da arrecadação total. Nas Laranjeiras, a fatia é um pouco menor, mas também significativa: 46,5%. E, mesmo com este dinheiro à disposição, os dois já atravessam grave crise financeira.

Em razão de dívidas com ex-jogadores, agentes e outros clubes, o Fluminense está com a maioria de suas receitas penhoradas e deve quatro meses de direitos de imagem ao elenco. Fornecedores também estão na lista de credores do clube, que teve o serviço terceirizado de limpeza da sede suspenso.

Em São Januário, a corda no pescoço está menos apertada. Graças ao empréstimo de R$ 38 milhões que teve como garantia justamente as cotas de TV. Há dívidas do mês da gestão Eurico — salário de dezembro de 2017, 13° e um terço das férias. E parte das receitas previstas para 2019 já foram antecipadas.

 

Política também sofre com queda

No melhor estilo bola de neve, o rebaixamento e a piora do quadro financeiro impactarão no caos político, outro ponto em comum aos dois clubes. Isolado no Vasco, o presidente Alexandre Campello já deve sofrer, independentemente do resultado em campo, mais pressão interna em 2019. Há rumores de que a oposição tentará emplacar um processo de impeachment por gestão temerária. Uma redução tão drástica nas finanças cruz-maltinas serviria ainda mais munição às vozes que defendem o fim de seu mandato.

Nas Laranjeiras, o pedido de impeachment já foi feito. Atualmente, o processo aguarda a data da reunião de votação ser marcada. Mas, nos bastidores das Laranjeiras não há expectativa de que ele vá à frente, pois o presidente Pedro Abad conta com maioria no Conselho Deliberativo, órgão onde o afastamento será avaliado. O rebaixamento, no entanto, pode abalar a governabilidade do mandatário.

 

Mesmo que não promova uma reviravolta no processo de impeachment, a queda para a Série B no mínimo jogará ainda mais combustível na campanha pela renúncia movida pela oposição. As manifestações contra o presidente tricolor tem se tornado mais frequentes nos últimos dias. Procurado pela reportagem, o Fluminense não quis participar desta matéria.

REPRODUÇÂO MATERIA DO EXTRA ONLINE

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.