Jornal Povo

Mãe de menina morta por bala perdida no Turano passa mal e não vê o enterro da filha

Apesar de ter sido baleada no colo da mãe, a menina Alice Pamplona da Silva de Souza, de 5 anos, foi sepultada sem a presença dela. Franciely da Silva se passou muito mal cerca de 40 minutos antes do horário previsto para o enterro. Cerca de cem pessoas acompanharam o cortejo do corpo da menina, no Cemitério do Caju. Alice foi atingida no pescoço, quando assistia aos fogos com a família, no Morro do Turano, na noite de réveillon.

Franciely chegou ao cemitério por volta das 11h15. Cerca de uma hora depois, se sentiu mal e foi socorrida em um hospital, sendo liberada em seguida. Minutos depois, a avó materna de Alice também passou mal. A Secretaria municipal de Saúde havia informado antes que Franciely da Silva tinha saido da unidade antes da conclusão do atendimento e sem receber alta médica.

Muito emocionados, familiares e amigos entoaram cânticos religiosos. No local do sepultamento, o caixão foi aberto e a madrinha de Alice, Mayara Aparecida se Souza, lembrou da alegria da menina:

— Não foi descuido, senhor. Ela morreu nos braços da mãe dela. Era uma criança que adorava dançar.

A ONG Rio de Paz registrou, no ano de 2020, 12 crianças mortas vítimas de armas de fogo no estado do Rio. O presidente da ONG, Antonio Carlos Costa, disse que é preciso uma política de segurança pública:

— Alice teve sua vida interrompida por bala perdida, não por força de ação da Polícia Militar, mas do uso absolutamente irresponsável de armas de fogo. O que precisa ser feito é o Estado e a União terem uma política de segurança pública. Menos de 30 dias atrás, duas meninas pobres da Baixada Fluminense tiveram a vida interrompida por bala perdida. Hoje é uma menina moradora do Turano. Se essas mortes tivessem acontecido na Praça General Osório ou num condomínio da Barra da Tijuca, sociedade e poder público Continuariam a lidar com a indiferença com que lidam com essas mortes? Precisamos de implantação de políticas públicas nas favelas.

Inicialmente, o caso foi registrado na 6ª DP (Cidade Nova). As investigações vão ficar a cargo da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC). A Polícia Civil informou que os pais da menina prestaram depoimento e que outras testemunhas serão chamadas para esclarecimentos. As investigações continuam para identificar de onde partiu o tiro que atingiu a criança e esclarecer os fatos. Por meio de nota, a Subsecretaria de Estado de Vitimados informou que ofereceu atendimento psicológico e social para a família de Alice e ressaltou que a equipe psicossocial da pasta esteve no enterro da menina e segue acompanhando o caso.

Um vídeo feito por Mayara, a madrinha de Alice, mostra o momento do tiro que atingiu a menina. A família estava assistindo os fogos do muro da casa dela e ela resolveu. Num trecho a menina fala “ai”. A mãe pergunta o que foi e em seguida fala para Mayara: “Corre, Mayara, acho que minha filha tomou um tiro.

Fonte: Jornal Extra

Attention Required! | Cloudflare

Sorry, you have been blocked

You are unable to access jornalpovo.com.br

Why have I been blocked?

This website is using a security service to protect itself from online attacks. The action you just performed triggered the security solution. There are several actions that could trigger this block including submitting a certain word or phrase, a SQL command or malformed data.

What can I do to resolve this?

You can email the site owner to let them know you were blocked. Please include what you were doing when this page came up and the Cloudflare Ray ID found at the bottom of this page.